ARTIGO – O MUSEU DAS LOUCURAS INTERGALÁCTICAS

492
SALA DA ESFERA CÚBICA. Foto: Antônio Xavier.

O MUSEU DAS LOUCURAS INTERGALÁCTICAS

Lourenço Cazarré*

Fernando Duval, artista pelotense radicado no Rio de Janeiro, está lançando mais uma série de quadros/desenhos/pinturas do seu fantástico Universo, ao qual deu o nome de Wasthavastahunn.

Fiel a este mundo pictórico pessoal há mais de sessenta anos, Duval vem dando corpo e alma a tudo que há no Wastha: pessoas, bichos, máquinas e leis. Seria impossível, escrevendo, dar uma ideia próxima do que seria esse delirante planeta desconhecido. Bem, talvez baste dizer que por lá as linhas divisórias entre países são demarcadas pelo risco que o sol, na sua trajetória diária, traça no chão. Nesse mundo em que as fronteiras são móveis, nem mesmo os santos são santos. Porque as quase invisíveis igrejas de lá não obrigam ninguém a fazer nada. O melhor de tudo: não há propriamente uma economia porque seus habitantes, como o artista, detestam fazer contas.

Eis que agora Fernando Duval acaba dar à luz mais uma batelada de quadros. São treze. E todos eles reproduzem salas e corredores do afamado Museu Dekaelli, instituição que estuda a astronomia daquele Planeta não tão distante assim.

Como nada no Wastha é simples, registra a apresentação desta nova obra: “Museu Dekaelli estuda a astronomia wasthiana. Seu acervo inclui fotos do Universo do Grupo Galático Sfaha-Washemin e sistema binário Rahi-Rasha. Seis salas–corredores da Galáxia Auditório e Planeta Galático”.

Voltemos ao planeta Wastha. Há quem diga que os moradores daquele universo, sempre elegantérrimos, porém feiosos, são inspirados em pessoas que Fernando Duval conheceu nos seus anos de burocrata do Ministério da Fazenda. Aliás, um caso raro de amanuense que se demitiu de cargo bem remunerado. Há quem assegure que os homens e mulheres de Duval podem ser visto nas caminhadas que ele faz por Copacabana, bairro onde reside. Mas há jornalistas fofoqueiros que asseguram que o povo do Wastha é inspirado na gente que o artista conheceu na sua já distante meninice em Pelotas ou até mesmo em pessoas com as quais travou contato nas suas mais recentes visitas à terrinha. Mentirosos afirmam que Duval recarrega suas baterias nas suas viagens anuais a Princesa, onde tem muitos amigos e, que se saiba, nenhum desafeto. Mas a tal recarga é claramente uma inverdade.

Ele mesmo, Fernando Duval, é sua própria bateria.

*Jornalista e Escritor.

Abaixo seguem os quadros do Museu Dekaelli. Contato do autor: Zap 21 96519 0731.  FOTOS DE ANTÔNIO XAVIER.

SALA DA ESFERA CÚBICA
RECEPÇÃO
ADMINISTRAÇÃO
BIBLIOTECA ASTRAL
CORREDOR DAS GALAXIAS 1
CORREDOR DAS GALAXIAS 2
CORREDOR DAS GALAXIAS 3
SALA DOS PLANETAS
SALA DOS COMETAS
ACERVO RODIZIO
SALA DAS ESTRELAS
SALA DO CUBO ESFÉRICO
SISTEMA RAHI-RASHA