ARTIGO – BEATRIZ ARAÚJO E O TREZE

51

 

BEATRIZ ARAÚJO E O TREZE

Quando soube que estaria sendo gestado o livro alusivo aos 40 anos de existência do programa do Clayton, nosso Pelotas 13 Horas, logo pensei que seria um interessante livro de memórias. Memórias do Clayton? Até pode ser, uma vez que com tenacidade e lucidez ele vem comandando esta nave em todos os tempos. Muito mais do que isso, fiquei certa de que nestas páginas estariam plasmados debates inflamados e algumas das inúmeras coberturas espetaculares de eventos que permeiam a memória coletiva.

Como integrante da democrática mesa do 13 Horas, tive a oportunidade de constatar que lá o debate é livre e a opinião independente. Deve-se a isso o reconhecimento do programa como patrimônio da cidade. No 13, o Quarto Poder exerce, na plenitude, a sua força. Poderia facilmente discorrer acerca de tantas situações em que esta força foi determinante na solução de problemas que afligiam a comunidade. Mas tenho certeza de que o ouvinte do 13 encontrará aqui uma seleção primorosa de relatos, enriquecidas com imagens que corroboram a influência deste poder.

Assim, oportunamente, me atenho unicamente a uma situação que diz respeito a um museu brasileiro. Em 2010, o Museu Histórico Farroupilha, que devido a sua importância é considerado patrimônio cultural do Brasil, agonizava enquanto, solitariamente, eu tentava sensibilizar o Governo Estadual na busca de patrocínio para sua restauração. Ainda que responsável por esta instituição que guarda a memória do período farroupilha, o governo não dava ouvidos ao meu pleito.

Até que pelo microfone do 13 Horas, o Luiz Carlos Vaz passou a liderar um “movimento” pró Museu Farroupilha. A governadora Yeda Crusius foi interpelada “no ar” pelo Vaz que aludia aos investimentos feitos pelo governo em um desfile temático em Porto Alegre enquanto a verdadeira história se perdia na cidade de Piratini.  O resultado foi a liberação do patrocínio do Banrisul que somado ao aporte do BNDES permitiu a total recuperação e modernização do prédio, entregue à comunidade gaúcha em 2012 com a presença e o justo reconhecimento aos integrantes deste programa.

Desta forma se dá o dia-a-dia do Clayton Rocha e de seus colaboradores; identificando demandas, denunciando, proporcionando vez e voz aos cidadãos. Ao comandante, o meu reconhecimento. Ao Pelotas 13 Horas, meus votos de vida longa!

Beatriz Araújo – Produtora Cultural, Secretária Estadual de Cultura e integrante da Equipe Treze Horas

Informação

O LIVRO ESTÁ SENDO GESTADO!