DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA É DEBATIDO NO PROGRAMA DESTA QUARTA-FEIRA

215
Dra. Paula Grill, presidente da Sub-Seção local da OAB, dr. Fábio de Moura, Sandro Mesquita – CUFA -, Dr. José Fernando Gonzalez e Clayton Rocha.

O programa desta quarta-feira debate o Dia da Consciência Negra que é lembrado neste dia 20 de novembro em todo o país. A data homenageia Zumbi, um pernambucano que nasceu livre, mas foi escravizado aos seis anos de idade.

Com a presença de Sandro Mesquita, Central Única das Favelas e do ex-vereador Luiz Carlos Matozzo o debate girou em torno da causa que marca o dia de hoje.No contexto histórico, as celebrações do 20 de novembro surgiram na segunda metade dos anos 70, no âmbito das lutas dos movimentos sociais contra o racismo. Em um sábado de 1970, um grupo de negros no RS cunhou o dia 20 de novembro como o Dia da Consciência Negra. O idealizador do Dia Nacional da Consciência Negra foi o poeta, professor e pesquisador gaúcho Oliveira Silveira. Silveira foi um dos fundadores do Grupo Palmares, associação que reunia militantes e pesquisadores da cultura negra brasileira, em Porto Alegre. Em 1971, ano da fundação do Grupo, ele propôs uma data que comemorasse o valor da comunidade negra e sua fundamental contribuição ao país. Por horas, homens e mulheres falaram sobre a história de Zumbi e de outro rei de Palmares, Ganga Zumba, sobre como os negros foram trazidos da África para o Brasil e o que foi a escravidão no Brasil.

Ainda recitaram poemas de Castro Alves e Solano Trindade. A data inicial a ser escolhida era 13 de maio, o grupo de gaúchos frequentavam rodas que questionavam havia tempos a legitimidade da data do 13 de maio para o povo negro. Uma publicação da editora abril e mais algumas pesquisas sobre o quilombo dos Palmares levaram o grupo à nova data: o 20 de novembro, a morte de Zumbi. Oliveira Silveira, que se tornaria um dos intelectuais negros mais importantes do país, levou a ideia ao grupo, que aprovou. Assim, escolheu-se o dia 20 de novembro, data da morte de Zumbi dos Palmares

Presente a presidente da sub-seção local da OAB – Ordem dos Advogados do Brasil, Paula Grill, do advogado Fábio de Moura, do Dr. José Fernando Gonzales, Lúcio Cavada, Clayton Rocha, Paulo Gastal Neto e Irajá Rodrigues, o programa falou sobre a lei de cotas, o objetivo do Dia da Consciência Negra, que é fazer uma reflexão sobre a importância do povo e da cultura africana no Brasil. O programa também serviu para se analisar o impacto que o processo da escravidão teve no desenvolvimento da identidade cultural brasileira. A música, a política, a religião e a gastronomia entre várias outras áreas foram profundamente influenciadas pela cultura negra. Este é um dia de comemorar e valorizar a cultura afro-brasileira e o Treze abriu espaço para o tema!