ARTIGO – A POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL

60

A POLÍCIA RODOVIÁRIA FEDERAL

Ivon Carrico*

Li, hoje, no site ‘O Antagonista’ uma interessante matéria intitulada ‘Despreparo e Selvageria’ acerca dos episódios recorrentes de violência e falta de treinamento envolvendo essa organização policial.

Assim, o Articulista destaca os seguintes fatos: a) a morte de 02 Policiais Rodoviários Federais – em Fortaleza, a semana passada – que tiveram uma arma tomada por um morador de rua quando de uma equivocada abordagem; b) o apoio da PRF à PM/RJ na truculenta operação realizada na Vila Cruzeiro, no Rio, com um saldo de mais de 20 mortos e c) a infeliz abordagem e morte de um motociclista, em Sergipe, que trafegava sem capacete.

Aqui um parêntese: o Bolsonaro raramente usa capacete em suas motociatas. E, não se tem, todavia, notícia de qualquer abordagem da PRF para impedir essa infração.

Prosseguindo, destacou – ainda – o referido Articulista o recente protagonismo concedido à PRF em face da inusitada distinção recebida no atual Governo.

Bem, concordo com muitas das assertivas contidas nessa matéria. Realmente, é preciso um freio nessas desastradas ações, pois a força só pode ser usada na devida proporção.

Mas, é imperioso destacar – também – o assombroso número de Policiais mortos no cumprimento do dever. Em um País onde o crime, muitas das vezes, compensa e, em que, pasmem, criminosos são beneficiados com polêmicas e inusitadas Decisões judiciais, nada mais difícil e pesaroso do que o cumprimento da missão institucional dessas organizações.

Mas, do que se depreende – realmente – desses tristes episódios é, enfim, o despreparo e o deslumbramento de Dirigentes e Agentes da PRF com esse protagonismo desmesurado. Daí as aberrações nessas abordagens.

A incompetência e o ego desses Dirigentes merece a severa reprimenda da sociedade e das Autoridades constituídas. E, também, se for o caso, o imediato afastamento. Como na Petrobrás.

*Ivon Carrico é pelotense, mora em Brasília, atuando na administração há quase 50 anos. Atuou na ANVISA e na Presidência da República. Brasília: 27/05/2022