7 DE SETEMBRO DE 1922 – 7 DE SETEMBRO DE 2022: 100 ANOS DO RÁDIO NO BRASIL – Podcast

325
Cem anos do rádio no Brasil nesta quarta-feira, 07.09.2022. Imagem: Internet

A radiotelefonia, como era chamada nos primórdios, alcança um século de sua primeira demonstração pública expressiva neste dia 7 de setembro. Nessa data, em setembro de 1922, ocorreu o que entrou para a história como a transmissão oficial pioneira, com a irradiação do discurso do presidente da República Epitácio Pessoa, no Rio de Janeiro. — O rádio é o jornal de quem não sabe ler, é o mestre de quem não pode ir à escola, o divertimento gratuito do pobre, o animador de novas esperanças, o consolador do enfermo, o guia dos sãos, desde que o realizem com espírito altruísta e elevado. Mas vale ressaltar: o rádio como um propulsor de vozes assustou testemunhas duas décadas antes, em 16 de julho de 1899. Graças ao padre e cientista gaúcho Landell de Moura.

REPÓRTER ESSO – Fonte: Agência Brasil 

Gravação do “Repórter Esso” , com Heron Domingue

O ano era 1941. A Segunda Guerra Mundial estava em curso. Em junho, a Alemanha invadia a União Soviética com 3 milhões de soldados. Em outro continente, os Estados Unidos usavam sua política de boa vizinhança para se firmar como potência mundial e liderança entre as nações das Américas.O american way of life (estilo de vida americano) era propagado no Brasil, trazendo elementos que iam da Coca-Cola ao personagem da Disney Zé Carioca, aliado a grandes projetos estruturais – como a Companhia Siderúrgica Nacional (CSN). Foi nesse contexto que chegou ao país o programa que é um ícone do radiojornalismo nacional: o Repórter Esso.

Repórter Esso (Lançamento) – 1941

O programa que revolucionou os jornais brasileiros era um produto de comunicação da Standart Oil Company of Brazil, a gigante do petróleo estadunidense que dá nome ao radiojornal. Seu conteúdo era supervisionado pela agência de publicidade McCann-Erickson e produzido pela agência internacional de notícias United Press Associations (UPA).

Ele já existia em outros países – ao longo de sua história, foi transmitido em 15 nações por 60 emissoras. No projeto original, o Repórter Esso dedicava-se a trazer notícias sobre a Segunda Guerra Mundial, em horários fixos ao longo do dia e também em edições extraordinárias, quando necessário. Com cinco minutos de duração e normas rígidas de conteúdo, com notícias curtas e diretas, praticava o contrário do que vigorava na época em jornais falados. Foi sobretudo o formato do Esso que trouxe inovação para o radiojornalismo.

O acervo da Empresa Brasil de Comunicação (EBC) recuperou o manual sonoro do Repórter Esso, narrado por Heron Domingues: “às 8h, primeiro horário do Repórter Esso, a saudação aos ouvintes deve ser feita com otimismo, voz clara e sem qualquer sinal de sono. Há necessidade de que, neste primeiro horário de nosso boletim, o ouvinte seja acordado pela voz alegre, firme e pontual do Repórter Esso“, orienta o guia.  Ouça essas e outras diretrizes no áudio abaixo:

NASCE A RÁDIO UNIVERSIDADE

Estúdio da Rádio Universidade Católica de Pelotas, nos altos do prédio da reitoria da UCPEL com o operador Sidnei Bernardi.
Pioneira do rádio em Pelotas, a Rádio Universidade está inserida neste contexto dos Cem Anos do Rádio no Brasil. Ela é a mais jovem das emissoras de onda média do município foi testemunha de fatos memoráveis da história do Brasil e do mundo. A Rádio Universidade Católica de Pelotas (RU/UCPel), fundada por Dom Antônio Zattera em 25 de julho de 1967 e já realizou transmissões marcantes como, eleições nacionais e internacionais, posses de governantes, sucessão dos Papas Paulo VI, João Paulo I e João Paulo II e Bento XVI direto do Vaticano. A Rádio testemunhou, também, a participação da gaúcha Rejane Vieira Costa no concurso de Miss Universo, em 1972, em Porto Rico, quando fez história como a primeira emissora local a fazer uma transmissão internacional.
.
A RU também foi a primeira dentre as rádios locais a ter uma unidade móvel e a focar a programação no segmento informação. A rádio ainda largou na frente ao transmitir sua programação ao vivo via Internet.
.
No esporte, sempre acompanhou os três clubes pelotenses de futebol em todas as competições que disputaram nestes 45 anos. Futsal da UCPel, Fórmula 1, Paddle, Copas do Mundo, Copa Libertadores, Pré-Olímpico e amistosos da seleção brasileira tiveram a cobertura do Time da Bola Branca, em Pelotas, no Estado, no país e em várias partes do mundo.
.
A RU entrou no ar em 10 de março de 1967, em caráter experimental. Frei Matiello, na ocasião diretor técnico da TV Difusora, foi o responsável. Os dois estúdios da RU funcionavam no andar superior do prédio da Reitoria da UCPel. No dia 25 de julho foi realizada sua inauguração – coincidentemente, no mesmo dia do aniversário de seu fundador.
.
Atuação popular
Em 1997, a Rádio Universidade promove a Mostra de Música Popular, reunindo diversos artistas locais. E desde 1998, acompanha os festejos do Carnaval em Pelotas. O entrosamento foi tanto que em 2002, quando completou seu 35º aniversário, criou o Bloco da RU. Em parceria com a UCPel, a Rádio gravou o Hino de Pelotas e, por três anos consecutivos, promoveu a gravação dos sambas-enredos das Escolas de Samba da cidade.
O advento da televisão e da Internet inevitavelmente trouxe especulações de que o rádio iria acabar, mas os temores não se confirmaram. O avanço da tecnologia só veio a contribuir. Sempre operando na potência de um quilowatt e atingido toda a região, a RU se qualificou com o passar do tempo e possui atualmente dois transmissores de ponta em operação constante, gerador próprio e todo um aparato técnico de primeira geração. “O rádio não vai perder nunca seu valor pela instantaneidade. Além disso, cada vez mais é um fenômeno local”, salienta, ao falar sobre a importância de a programação atender às expectativas da população da zona Sul.
.
Início das transmissões do Treze Horas no edifício da Universidade Católica de Pelotas. Na foto Bernardo de Souza, jornalista Paulo Otávio Pinho (produtor) e Clayton Rocha.

NASCE O TREZE HORAS

O Pelotas Treze Horas é um dos mais antigos programas de rádio do Brasil, ao estilo mesa de debates. O “Treze”, como é conhecido, apresentado diariamente pela Rádio da Universidade Católica de Pelotas, dura uma hora e meia – das 13h às 14h30min – e foi ao ar pela primeira vez no dia 6 de novembro de 1978. A ideia nasceu em Roma, durante o período do “Conclave” que elegeu o Papa João Paulo I. Até hoje o Treze Horas é apresentado pelo radialista e jornalista Clayton Rocha, tendo como principal assunto o cenário político de Pelotas em parceria com o radialista Paulo Gastal Neto.

O Treze Horas tornou-se um fórum de discussões políticas onde recebe as mais diferentes matizes do cenário local, estadual e nacional.

Impossível falar sobre o Programa Pelotas 13 Horas sem iniciar mencionando o nome de seu criador e âncora há 42 anos, o jornalista Clayton Rocha. Espaço que carrega o slogan “aqui o debate é livre e a opinião independente”, o Treze Horas tornou-se parada obrigatória de grandes personalidades que visitam Pelotas, como políticos, atores, cantores, representantes de comunidades, profissionais, enfim, local onde qualquer pessoa possa abordar questões de interesse geral.

Valorizado pelos pelotenses, o Treze começou a nascer no ano de 1978, na cidade do Vaticano, por ocasião da eleição do Papa João Paulo I. Naquele momento, a Rádio Universidade Católica de Pelotas fez a inédita transmissão da eleição de um Papa. Com a ideia do programa, e de volta a Pelotas, o âncora levou ao ar, pela primeira vez, o Pelotas Treze Horas. Era dia 06 de novembro de 1978 e o debate contou com a presença de figuras famosas da cidade. Nestes 41 anos o programa foi transmitido de 04 continentes, sendo o segundo debate diário mais antigo do Brasil.

Treze Horas no final dos anos 90 no estúdio do Edifício BANLAVOURA na Rua XV de Novembro.

Cerca de 35 profissionais liberais, além de jornalistas e homens do rádio, participam dos debates diários, transmitidos do “Salão Amarelo”, amplo estúdio, no 7º andar do Edifício da Associação Comercial de Pelotas. O programa tem caráter opinativo e vai ao ar pontualmente às 13h05min. Os pelotenses sintonizam a emissora na frequência 1160AM ou no site: http://ru.ucpel.edu.br. O Treze também está em todas as plataformas das redes sociais:

Site – www.pelotas13horas.com.br
Instagram – @pelotas13horas
Facebook – Facebook.com/Pelotas13horas
Twitter – @Pelotas13horas
E-mail – [email protected]
Fone – (53) 3307 0313
WhatsApp – (53) 98114 8808 ou (53) 99125 6333
PODCAST – anchor.fm/Pelotas13horas

ESPECIAIS

Embora situado na cidade de Pelotas, o Treze Horas realizou coberturas de eventos em diversos países. Nessas ocasiões especiais, em sua série, sempre adotou o nome da cidade da transmissão.

Paulo Gastal Neto e o Treze Horas no Santuário de Fátima em Portugal em 2017, por ocasião da visita do Papa Francisco.

EUROPA

Entre as coberturas notórias do programa, estão Londres Treze Horas, na queda de Margareth Tatcher, em 1990; Berlim Treze Horas, na derrubada do Muro de Berlim, em 1989; Lisboa e Aveiro Treze Horas, em 1996, 1997 e 2000 durante o Projeto Luso Grande do Sul, idealizado pelo Treze para as comemorações dos 500 Anos do Descobrimento do Brasil; Paris Treze Horas, durante a Copa do Mundo de 1998, com Paulo Gastal Neto, José Antônio Costa e Manoel Valente; Köln (Colônia – Alemanha) Treze Horas, durante a Copa de 2006, com Paulo Gastal Neto. em 2017 O Treze Horas acompanha a visita do Papa Francisco a Portugal, também com o repórter Paulo Gastal Neto (FOTO).

VATICANO

Foram transmitidos, do Vaticano, a cobertura das eleições dos papas João Paulo I, João Paulo II, Bento XVI e concessão do “palium” de Arcebispo ao Arcebispo Metropolitano de Pelotas, Dom Jacinto Bergmann, em 29 de junho de 2011. O Treze Horas também esteve presente durante o Conclave de março de 2013, quando da eleição do 1º Papa da América Latina, Cardeal Jorge Mario Bergoglio, o Papa Francisco.

ÁSIA

Na Ásia, o Treze Horas deu voz à devolução de Hong Kong à China, em 1997, na caso do Hong Kong Treze Horas. Também transmitiu de Bangkok, Pequim, Tóquio e Macau em séries de uma semana. Com participação de Viviane Senna da Silva, o debate Tóquio Treze Horas foi levado ar, diretamente da capital japonesa, quando do jogo Grêmio x Ajax de Amsterdam, válido pela decisão do Mundial de Clubes. A irmã do piloto Ayrton Senna participou da transmissão, diretamente de São Paulo, através de texto que recuperava as três conquistas de Ayrton Senna na Fórmula 1, todas obtidas em Suzuka, Japão. Em 1998, mais uma vez na Ásia, com Clayton Rocha e Paulo Gastal Neto, o Macau Treze Horas, por ocasião do Congresso Internacional de Universidades de Língua Portuguesa; Também em 1998 o Pequim Treze Horas, em um 1º de Maio, Dia do Trabalho, o programa transmitiu diretamente da China.

AMÉRICA LATINA

Durante a Copa do Mundo de 1986, o Treze Horas foi ao ar diretamente do México, na série Guadalajara Treze Horas, acompanhando o evento durante 30 dias. As transmissões especiais contaram com a presença do jornalista João Saldanha, do Rio de Janeiro, que integrou a equipe de Debates Pelotas Treze Horas também na Cidade do México. Do mesmo país, em 14 de junho 1986, o Treze transmitiu o funeral do escritor argentino Jorge Luis Borges com depoimento do poeta Octavio Paz (Borges foi sepultado em Genebra, na Suíça, no cemitério de Plain-Palais).

O jornalista Fernando Lessa Freitas foi uma marca, uma voz do Treze Horas ao longo dos seus 45 anos que serão completados em novembro de 2023.

No Brasil, o Treze também contou com a participação de Oscar Niemeyer. O programa foi ar diretamente do escritório do arquiteto, no ano de 2010. Também o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso atuou como comentarista convidado do Brasília Treze Horas, tendo ao seu lado Dona Sarah Kubitsckek, durante a Convenção Nacional do PMDB que oficializou os nomes de Tancredo de Almeida Neves e José Sarney como candidatos a presidente e a vice-presidente da República. O arquivo do site contém as falas de FHC.

Aldyr Garcia Schlee, professor universitário, escritor, criador da camiseta canarinho da Seleção Brasileira, foi um dos principais colaboradores por ocasião da criação do Debate Pelotas Treze Horas, em 6 de Novembro de 1978. Em Brasília, ele e Clayton Rocha coordenaram a Série Brasília Treze Horas durante a instalação da Assembleia Nacional Constituinte, no final dos anos 80.

Designado por ato do Governador do Rio Grande do Sul, Alceu de Deus Collares, o jornalista Clayton Rocha não apenas dirigiu a Série Rio de Janeiro Treze Horas na Conferência Mundial do Meio Ambiente, a Rio 92, como chefiou a Delegação Oficial do Governo do Estado do Rio Grande do Sul.

Jornalista Clayton Rocha, idealizador do Treze Horas.

CLAYTON ROCHA

Clayton Rocha é um jornalista notório na história da rádio difusão pelotense e do Rio Grande do Sul. Inicia suas atividades profissionais em 2 de fevereiro de 1968 como repórter da Rádio Universidade, onde exerce as funções de comentarista, narrador de futebol e cronista esportivo. Em 1978, no entanto, passa a dedicar-se com exclusividade ao Pelotas Treze Horas, centrado em sua figura. Clayton Rocha também foi coordenador de Comunicação Social da Universidade Federal de Pelotas.

PROJETOS SOCIAIS E EMPRESARIAIS

Em 1970, Clayton Rocha cria a campanha 12 Horas Beneficentes, na qual permanece 12 horas no ar com o objetivo de arrecadar recursos para instituições assistenciais da região. Juntamente com Manoel Marques da Fonseca Júnior, foi o criador do Hospital Sem Paredes, voltado para atender menores carentes com problemas de saúde em braços e pernas. Além disso, o Debate Pelotas Treze Horas idealizou os Projetos Luso Grande do Sul – Brasil 500 anos, em 1996, 1997, 1998, 1999 e 2000. Clayton Rocha, Paulo Gastal Neto e Armindo Antônio Ranzolin, diretor da Rádio Gaúcha de Porto Alegre, criaram, em Lisboa, a Rede dos 500 anos, ou Rede do Descobrimento, integrada por 500 emissoras de rádio dos 7 países de língua portuguesa, mais Macau, no sul da China; e Gôa, na Índia. As Séries Lisboa Treze Horas, Brasília Treze Horas, Macau Treze Horas, então possessão portuguesa no sul da China; e Porto Seguro, Bahia, Treze Horas; reuniram as principais emissoras de rádio de língua portuguesa, e de 157 Universidades de língua portuguesa em 7 países. Mário Soares, ex-presidente e ex-primeiro ministro de Portugal, foi empossado, durante jantar na Embaixada do Brasil em Lisboa, no ano de 1976, presidente de honra dos projetos Luso Grande do Sul e Brasil 500 anos, criados em Pelotas.