PROFESSOR EMÉRITO DA UFPEL É LAUREADO COM O MAIOR PRÊMIO DA CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PAÍS

203
Ao longo de sua carreira, o professor Cesar Victora liderou diversas pesquisas que resultaram em políticas públicas de sucesso em todo o mundo. Foto: UFPEL

O professor emérito da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) Cesar Victora é o vencedor da 35ª edição do Prêmio Almirante Álvaro Alberto para a Ciência e Tecnologia, concedido pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), em parceria com a Marinha do Brasil. O anúncio da premiação foi feito na sexta-feira (14), em publicação no site do CNPq. A honraria é outorgada anualmente pelo Conselho a uma das três grandes áreas do conhecimento, em sistema de rodízio. Em 2023, a premiação contempla a área de Ciências da Vida.

O prêmio é considerado uma das mais importantes distinções científicas do País; tem o objetivo de reconhecer a obra de pesquisadores que contribuem significativamente para o avanço da ciência e tecnologia no Brasil. O comitê julgador, composto pelo Conselho Deliberativo do CNPq, avalia critérios como impacto das pesquisas, relevância dos resultados e inovação das metodologias utilizadas.

Ao longo de sua carreira, o professor Cesar Victora liderou diversas pesquisas que resultaram em políticas públicas de sucesso em todo o mundo. Algumas de suas principais contribuições à ciência foram a descoberta da importância do aleitamento materno exclusivo para a saúde da criança e a construção de curvas de crescimento infantil adotadas hoje em mais de 140 países.

Para o professor, o prêmio representa um importante reconhecimento do trabalho da saúde coletiva no Brasil. “Essa honraria é uma homenagem a todos os pesquisadores, estudantes e profissionais que me acompanharam ao longo desses anos. É um reconhecimento do trabalho árduo e comprometido de todos nós em prol da saúde pública”, disse.

Cesar Victora é também mundialmente reconhecido por seus estudos de coortes de nascimentos. Com o estudo de seis mil crianças pelotenses, acompanhadas desde o seu nascimento em 1982 até os 30 anos de vida, contribuiu para estabelecer o papel crítico da nutrição durante os primeiros mil dias (entre a concepção e o segundo aniversário) para a saúde e o capital humano na vida adulta. Seus estudos pioneiros colaboraram para que governos implementassem políticas de atenção à primeira infância e, com isso, reduzissem significativamente as taxas de mortalidade infantil.

O reconhecimento ao legado de Cesar Victora foi destacado pela ministra de Ciência, Tecnologia e Inovação, Luciana Santos, que ressaltou a relevância do trabalho do epidemiologista para o desenvolvimento social do País: “No momento em que o Brasil retoma os esforços para garantir a segurança alimentar da população vulnerável, o reconhecimento à trajetória do pesquisador Cesar Gomes Victoria é motivo de grande satisfação para todos nós que acreditamos no papel da ciência na busca de soluções para os desafios do país”, pontuou.

Mais recentemente, o professor emérito da UFPel tornou-se líder global no estudo das desigualdades em saúde materna e infantil. É coordenador do Centro Internacional de Equidade em Saúde da UFPel, onde sua equipe de pesquisa analisa dados de mais de 110 países para avaliar a equidade na cobertura de intervenções de saúde comprovadamente eficazes para prevenir a mortalidade de mães, crianças e recém-nascidos em países de baixa e média rendas. O epidemiologista é autor de mais de 800 artigos publicados, com mais de 55 mil citações, de acordo com o Web of Science  instituição que de 2018 a 2022 incluiu o pesquisador na lista dos 1% de cientistas mais citados na literatura científica mundial.

Sobre o prêmio

O Prêmio Almirante Álvaro Alberto de Ciência e Tecnologia foi criado em 1981 e homenageia o fundador e primeiro presidente do CNPq  almirante Álvaro Alberto da Mota e Silva, importante cientista brasileiro que contribuiu significativamente para o desenvolvimento da física nuclear no País. É atribuído ao pesquisador que tenha se destacado pela realização de obra científica ou tecnológica de reconhecido valor para o progresso da sua área.

A premiação acontecerá no dia 10 de maio, durante cerimônia Reunião Magna da Academia Brasileira de Ciências, na Escola Naval do Rio de Janeiro, quando também serão entregues os títulos de Pesquisador Emérito e a Menção Especial de Agradecimentos do CNPq, anunciados ao final de março.