INSTITUTO JOÃO SIMÕES LOPES NETO – PRÊMIO 300 ONÇAS

138
Prêmio 300 Onças distinguido pelo Instituto João Simões Lopes Neto. Foto: Rodrigo Chagas
Os agraciados em 2023 com o Prêmio 300 Onças. Ex-presidente da entidade Antônio Carlos Mazza Leite, aos professores e pesquisadores Luís Rubira e Mario Osorio Magalhães, esta uma homenagem póstuma, e a empresa Hertz Farmacêutica. Foto: Rodrigo Chagas
Ex-presidentes – Paula Mascarenhas, Henrique Pires, Antônio Carlos Mazza Leite e o atual Dr. Carlos Francisco Sica Diniz. Foto: Rodrigo Chagas

Pelotenses prestigiaram o evento na noite de sexta-feira, 10.11. Foto: Rodrigo Chagas
IJSLN homenageia colaboradores com a entrega do 300 Onças
O mais importante prêmio concedida pela entidade chega a 16ª edição neste ano

Mais quatro nomes entram para a galeria de destacados do 300 Onças, prêmio promovido pelo Instituto João Simões Lopes Neto. A 16º edição da láurea que relembra um dos contos mais famosos do escritor e patrono da entidade, será entregue hoje, ao empresário e ex-presidente da entidade Antônio Carlos Mazza Leite, aos professores e pesquisadores Luís Rubira e Mario Osorio Magalhães, esta uma homenagem póstuma, e a empresa Hertz Farmacêutica. A cerimônia ocorre às 20h, na sede do IJSLN, na rua Dom Pedro II.

A cada ano, desde 2005, a direção do Instituto reconhece a contribuição de pessoas, empresas ou entidades que ao longo dos anos têm contribuído ou contribuíram para a preservação da memória de João Simões Lopes Neto, bem como da divulgação do legado literário do escritor pelotense. A atividade anual é a mais importante do IJSLN. A distinção chega ao homenageado em forma de uma moeda dourada cunhada com a logomarca do prêmio 300 Onças. A cerimônia de hoje elevará para 47 o número de laureados com a comenda que tem edição limitada a 300.

Quem são os premiados

O pelotense Antônio Carlos Mazza é formado em Direito pela Faculdade de Direito da Universidade Federal de Pelotas (UFPel). Exerceu atividade empresarial, tendo sido presidente do Centro de Pesquisas da Agroindústria CEPAI e do Centro das Indústrias de Pelotas (Cipel), além de diretor da Federação das Indústrias do Rio Grande do Sul (Fiergs). Por dez anos exerceu a presidência do Instituto João Simões Lopes Neto, do qual é vice-presidente, na atualidade. Segundo Diniz, Mazza trabalhou muito pelo Instituto e pelas atividades culturais desenvolvidas pela entidade, como as comemorações do chamado Biênio Simoniano (2015/2016).

Luís Rubira é professor Associado do Departamento de Filosofia da UFPel. Como ensaísta, publicou os livros Sepé Tiaraju e a Guerra Guaranítica Instituto Callis, 2012) e Vitor Ramil: nascer leva tempo (Pubblicato Editora, 2015; 2a edição 2017). Foi o organizador dos três volumes do Almanaque do Bicentenário de Pelotas (Pró-Cultura-RS/Gráfica e Editora Pallotti – 2012-2014), ocasião em que reeditou no primeiro volume da Revista do 1º Centenário do município, obra de autoria de João Simões Lopes Neto.

Em parceria com o pesquisador João Luis Pereira Ourique, organizou e publicou, em 2017, o volume João Simões Lopes Neto – Teatro [Século 19] (Zouk, 2017), obra na qual transcreveu e apresentou pela primeira vez a peça Mixórdia, de Simões. Ao longo de 2020, publicou no Diário Popular dezenas de artigos, os quais buscavam, sobretudo, resgatar parte do contexto histórico, literário e cultural da cidade de Pelotas no século 19, com vistas a compreender que João Simões Lopes Neto é o fruto mais maduro de uma de uma importante geração de intelectuais que nela atuavam. Para 2024, está prevista a publicação do livro, também em parceria com Ourique, João Simões Lopes Neto – Teatro [Século 20].

Ao falar o recebimento do prêmio, Rubira lembra da emoção do escritor e jornalista Aldyr Garcia Schlee durante a inauguração da escultura de João Simões Lopes Neto na praça Coronel Pedro Osório, em 2016. “Vi Aldyr Garcia Schlee sentar ao lado da figura de Simões e se emocionar profundamente… Para mim, receber o Prêmio 300 Onças tem a mesma carga emocional: sei que estou diante de um escritor que soube resgatar de modo original muito daquilo que constitui nossa identidade, além de ter sido um intelectual urbano com múltiplas qualidades. E também porque estarei em presença de muitas pessoas que admiro, pessoas que nunca mediram esforços para compreender e valorizar Simões tal como ele o merece”, comenta.

A Hertz Farmacêutica é uma farmacêutica brasileira, com sede em Porto Alegre, foi fundada pelo alemão Gerhard Hertz em 1947. Atualmente, a Hertz é uma das principais indústrias de Medicamentos Isentos de Prescrição no mercado brasileiro.
A empresa conta com mais de mil colaboradores, uma unidade fabril responsável pela produção de mais de 95 milhões de unidades de medicamentos e produtos de saúde por ano. “Hertz Farmacêutica, empresa amiga do Instituto, vem colaborando há muitos anos com suas contribuições mensais para a Casa de Simões Lopes Neto”, fala Diniz.

Láurea póstuma

Diferentemente de anos anteriores, quando foram destacados três nomes, o prêmio terá quatro homenageados, um deles é o reconhecido historiador pelotense, Mario Osorio Magalhães (1949-2012). Professor da Ufpel, na área de Ciências Humanas, Magalhães dedicou sua trajetória acadêmica ao resgate da história de Pelotas. Seu livro mais importante intitula-se Opulência e Cultura na Província de São Pedro do Rio Grande do Sul (1993). Entre as obras sobre o município se destaca Os passeios da cidade antiga (Guia histórico das ruas de Pelotas), várias vezes reeditado.

A relação de Magalhães com o Instituto João Simões Lopes Neto, onde foi muitas vezes palestrante, e com a obra de Simões, foi muito relevante, segundo o Sica Diniz. Mário Osório Magalhães editou, pela primeira vez em livro, a História de Pelotas. Apontamentos referentes à história de Pelotas, reprodução de textos divulgados na Revista do 1º Centenário de Pelotas, 1911-1912, introduzindo apresentação e comentários, publicado pela editora Armazém Literário, em 1994. “Seu falecimento prematuro, aos 62 anos, não permitiu o recebimento em vida do Prêmio Trezentas Onças, outorgado agora ‘in memoriam'”, comenta o presidente da entidade.