DESTAQUE DE SÁBADO: MOZART VÍCTOR RUSSOMANO

201
Mozart Víctor Russomano estava no Conselho de Administração da OIT, na Suíça, e a Organização Internacional do Trabalho.

Um dos nomes mais destacados a participar do Treze foi o ministro Mozart Víctor Russomano. Um jurista do ‘mundo da Justiça do Trabalho’, sempre que participava do programa, gerava uma expectativa muito grande nos integrantes da mesa de debates e nos ouvintes. Sua erudição e talento ao discursar ilustrava o Treze Horas com absoluta eloquência e repercussões altamente positivas.

Amigo de Clayton Rocha, Mozart teve um gesto inesquecível que é relembrado pelo coordenador do programa e relatado aqui no ‘Destaque de Sábado’.

ESCOLHA O QUE VOCÊ QUER FAZER!

Corria o ano de 1989 e ele estava em Genebra. Preocupado com o meu futuro, e forçando a minha saída de Pelotas, ele arrematou:– “ Escolha o que você quer fazer, quando e em que país, que o resto é comigo!”

Mozart Víctor Russomano estava no Conselho de Administração da OIT, na Suíça, e a Organização Internacional do Trabalho tinha mais países membros do que a própria ONU. Custei a responder aquela carta, escrita em papel de seda e com caneta tinteiro, e que me foi enviada pelo Correio. Eu precisava escolher as palavras, em resposta ao profundo sinal de generosidade e de afeto daquele amigo de todas as horas. -“Pois bem, eu aceito!” Escrevi na primeira linha. Aceito poder guardar, e para sempre, esse seu gesto em relação à minha pessoa. Sua carta comoveu-me profundamente, sua diversificada oferta, escolher uma atividade em data de minha livre escolha, e em país de minha preferência, é algo especial e muito raro na vida de uma pessoa na faixa dos trinta e poucos anos. Pois bem, disse-lhe, fico gratificado com o seu gesto, mas não quero nada, em hora nenhuma e em país nenhum, pois pretendo permanecer pelo resto da minha vida na Cidade de Pelotas. Tornamo-nos, a partir dali, amigos íntimos e com intenso convívio.

De inúmeras outras lideranças recebi, ao longo da vida, convites tentadores, sinais vivos de reconhecimento profissional, a cada um deles dei a mesma resposta: eu só quero ter o direito de guardar o seu gesto! É o que me basta. É o sinal de valorização profissional e afetiva que alimentará o meu espírito agora e sempre. Sou, sem nenhuma dúvida, por conta de tantas demonstrações de amizade e de respeito, um homem agradecido. E por isso digo VALE! VALE MUITO, naquela expressão consagrada por Cícero, lá atrás no tempo, durante o encerramento de suas falas e de seus textos.

MOZART E COLARES

Mozart Víctor Russomano, Clayton Rocha e Alceu Colares.

Dois de abril de 2005: Um admirava muito o outro. Então eu os aproximei, durante um churrasco no oitavo andar da Associação Comercial de Pelotas. De um lado, Alceu Collares, ex-Governador do RS. Do outro, Mozart Víctor Russomano, ex-presidente do Tribunal Superior do Trabalho, TST. Conversaram durante três horas, e depois disso trocaram cartas e telefonemas. Eu, naquela tarde de sábado, não imaginava receber uma notícia de grande impacto mundial, e que me foi dada através de um telefonema:- “Acaba de falecer em Roma, em seus aposentos, no Palácio Apostólico, o papa João Paulo II”. (CR).