ARTIGO – ELA NÃO É DOR, ELA É PAZ. ELA NÃO É MISTÉRIO, ELA É LUZ.

124
ELA NÃO É DOR, ELA É PAZ.
ELA NÃO É MISTÉRIO, ELA É LUZ.
.
Clayton Rocha
.
Jovem que era, eu nem me preocupava com esses cinco ou seis litros de sangue que correm pelas artérias humanas. Os pensamentos eram outros e a vida seria para sempre, e cada dia merecia ser vivido com intensidade máxima. Mas, de repente, e completamente fora de qualquer previsão, surge o acidente trágico, aquela sobrevivência no auge da juventude, sequelas recém chegadas, os altos riscos na história daquele dia, tudo isso num abrir e fechar de olhos, mais aquela última meia hora de terror pessoal: – A hemorragia nasal pós-cirúrgica incessante, metade do sangue perdido, a transferência imediata para a UTI, o paciente branco como uma folha de papel, além da crueldade daquela frase pensada com grande dificuldade, como se fosse num pesadelo:– “Eu estou indo embora”.
.
Mas os doutores Roger Lahorgue Castagno e Sydney Castanho não me deixaram ir! Gazes, algodões, transfusões, tamponamentos e procedimentos outros durante uma madrugada inteira alcançaram o objetivo: eu continuava vivo. Sydney e Roger são benditos “sinais de sangue” para mim desde aqueles distantes anos oitenta. Eles e eu, todos ali, numa inesquecível cumplicidade hospitalar, além dos meus familiares muito presentes, e sem arredar pé, a começar pela minha Mãe, durante aquela duradoura jornada em busca da preservação de uma vida.
.
Roger e Sydney são afetos de sempre, e nada mudará em minha gratidão e em minhas lembranças quanto a esses dois amigos do coração, mesmo que ambos tenham trocado de dimensão recentemente. Eu ainda era muito jovem quando senti os sinais de um desenlace iminente, e a eles devo uma espécie de renascimento.
.
Rezo pelos dois, agradeço mais uma vez nesta hora de uma despedida, reforçando em mim a ideia de que a morte não passa de um grande engano quanto às suas mal interpretadas consequências. E acredito firmemente, em nome das minhas próprias convicções, que ela não é dor, ela é paz. Ela não é mistério, ela é luz. (CR).