TREZE HORAS LAMENTA A MORTE DE HERMES RIBEIRO DE SOUZA FILHO – Podcast

603
Hermes Ribeiro de Souza Filho – Vice-Presidente da Farsul – morreu nesta madrugada. Fundador da Rede Sul-riograndense de Rádio. Era diretor da Rádio Liberdade de Canguçu.

HERMES RIBEIRO DE SOUZA FILHO

Vice-Presidente da FARSUL

Um dos mais apaixonados defensores do DEBATE TREZE HORAS. Inventava Redes, sugeria transmissões diferenciadas. Faleceu às 02:28 minutos da madrugada desta quarta-feira, 10 de junho de 2020, na UTI do Hospital Moinhos de Vento, depois de 72 dias de internação, uma parte no Hospital da UFPel e – posteriormente – em Porto Alegre. Era a voz forte da Zona Sul e da Fronteira na tribuna da Federação da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul. Ele sabia dar recados duros e contundentes na capital do Rio Grande. Poucos são aqueles que se dispõem a tanto.

No Podcast abaixo a última entrevista ao Treze Horas:

ARTIGO

HERMES, MISSÃO CUMPRIDA – Clayton Rocha

Um ritmo de trabalho alucinante. Dois celulares permanentemente ligados, sempre nas estradas do Rio Grande, contato olho no olho com os associados da FARSUL. Ele não gostava do distanciamento imposto pelos gabinetes, nem do isolamento daquele que detém um cargo importante, porque os problemas estão sempre do lado de fora! Esse é o retrato de Hermes Ribeiro de Souza Filho.

Viveu guerreando, morreu guerreando! Deu combate à doença durante intermináveis setenta e dois dias no interior de uma UTI, e mesmo em seus momentos de lucidez, sem apresentar queixas. Ao ser entubado, diante da hesitação da enfermeira, disse-lhe:- Minha filha, faça o que deve ser feito. Eu a partir deste momento estou entregue a vocês e seja o que Deus quiser.

Nossa amizade é muito antiga, e dela nasceu uma rede de trinta e cinco rádios, esta mesma rede que promoverá as próximas “12 Horas Científicas” do sete de julho, transmissão inédita que servirá para homenagear a sua memória.

Sebastião, Clayton e Hermes sempre foram inseparáveis. Quando se especulava, maldosamente, que eu ficaria sem um microfone de rádio para trabalhar depois de cinquenta anos dedicados a uma só emissora, eles riam disso, acrescentando sempre: cinco rádios aguardam por ti. Mas nós os dois também sabemos que não costumas mudar nem de barbeiro.

Sebastião e eu daremos continuidade aos projetos e aos sonhos do Hermes, e já tratamos disso. A palavra de ordem nesta curta vida é seguir adiante! Custe o que custar. Até mesmo porque sabemos que tudo passa, e que nada é para sempre.

Hoje ouviremos o último recado do Hermes. Ele estava em Canguçu, há oitenta dias, e deveria falar sobre a estiagem histórica, mas não o fez. Despediu-se! Falou de nossa amizade, das parcerias, do significado regional do 13 Horas e da profunda emoção que sentia naquele instante. Naquele seu surpreendente momento de despedida, a todos nós emblemático, até na voz ele demonstrava sinais intensos de afeto e de profunda crença nos valores superiores da amizade elevada.

Esse é o Hermes que ficará guardado para sempre nas minhas melhores lembranças, um Hermes de voz forte e de gargalhada marcante, movido a desafios, sempre intenso em seus gestos e em seus sinais de devoção ao próximo. Vivia livre em suas andanças pelos campos e nas estradas de chão batido e de asfalto, pelos planaltos e planícies deste Rio Grande que ele tanto amava. Compreendia que onde se deve procurar a liberdade é nos sentimentos, pois esses é que são a essência viva da alma. Ele sonhava sempre o impossível e terá, a partir de agora, a missão de desbravar os seus novos e insondáveis caminhos. Deus te proteja, irmão!

Pelotas, 10 de junho de 2020.