REDE DE AJUDA PARA CHAYANE

510
Chayane Viana e dentista pediátrica. Foto: Instagram

Do Diário Popular – Helena Shuster

Nos últimos dias de viagem de Chayane Viana, 32, e Maurício Nowak, 38, em Punta Cana, na República Dominicana, uma emergência inesperada está mobilizando família, amigos e a comunidade da região para ajudar o casal. Há cerca de quatro dias, Chayane está internada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de um hospital local com um quadro grave de pneumonia e, agora, o objetivo é trazê-la de volta para o Brasil, processo que requer aproximadamente R$500 mil.

A mãe de Chayane, Cristina Oliveira, que está em Santa Vitória do Palmar, cidade natal da família, conta que a filha estava com uma dor de garganta e, muito rapidamente, teve uma evolução no quadro de saúde. “Eles sempre se organizam para sair uma vez ao ano de férias e estavam muito bem lá. Dois, três dias antes de voltar ela teve dor de garganta. Ele levou ela para ser atendida, dentro do resort mesmo, e de lá ela já foi para o hospital”, conta. Cristina diz que o casal, que reside em Pelotas, tinha seguro-viagem mas não obteve retorno ou apoio da empresa contratada, e nem do consulado brasileiro, desde o início da situação.

Chay, como é conhecida, possui uma doença autoimune. Apesar de controlada e acompanhada, a mãe suspeita que a condição pode ter sido um agravante para o quadro da filha. “Ela faz tratamento, toma medicação, tem uma boa saúde, treina muito. É muito saudável, mas acho que pode ser por causa dessa condição autoimune”, lamenta. Nos últimos quatro dias, a cirurgiã-dentista está sedada e, desde terça-feira (9), o quadro de saúde não evoluiu e também não houve resposta à medicação, o que é motivo de ainda mais angústia para a família. “A medicação não surtiu efeito. Agora a médica falou que precisa trocar, mas não temos como pagar. Lá tudo é importado e custa uma fortuna”, lamenta.

Para ajudar

Em Punta Cana, onde o sistema de saúde é particular, todos os custos de internação e tratamento, que totalizam valores acima dos 40 mil dólares, estão sendo cobertos com a ajuda da família e, mesmo assim, ainda não é suficiente. “Ele acionou o seguro e não deu em nada. O Maurício foi pagando, mas é tudo em dólar. A gente foi dando um jeito, mas é muito dinheiro. Estamos desesperados para trazê-la de volta. É uma viagem que era para ser um sonho e se transformou nisso tudo”, lamenta a mãe.

Agora, o objetivo da família é arrecadar R$496 mil para trazer a vitoriense de volta ao Brasil, para continuar o tratamento em Porto Alegre, processo que necessita de transporte aéreo com suporte de UTI. A vaquinha organizada pela família está disponível em:

vakinha.com.br/vaquinha/transporte-internacional-da-chay-de-punta-cana-para-o-brasil.