PROJETO SUSTENTÁVEL DE REUTILIZAÇÃO DE ASFALTO VENCE PRÊMIO NACIONAL

149
A iniciativa transforma o material fresado removido das rodovias em um importante componente para as misturas asfálticas usado nas obras de conservação do Polo Rodoviário Pelotas. Foto: ECOSUL / Divulgação

Método utilizado nas rodovias do Polo Pelotas a partir de pesquisas com a participação da UFRGS reduz em até 20% a emissão de CO2

Uma iniciativa que transforma o material fresado removido das rodovias em um importante componente para as misturas asfálticas usado nas obras de conservação do Polo Rodoviário Pelotas foi reconhecida na categoria “Atmosfera: Descarbonização e Economia Circular” do GRI Infra Awards. A tradicional premiação do mercado de infraestrutura brasileira leva em consideração os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU. Os ensaios para o uso do RAP (Reclaimed Asphalt Pavement) nas rodovias da Ecosul foram iniciados em 2019 e desde então a reutilização dos materiais vem gerando grandes ganhos ambientais, já que reduz a quantidade de compostos provenientes do petróleo e de agregados minerais. Cálculos preliminares indicam que essa inovação pode reduzir em 20% a emissão de CO2 equivalente no momento da usinagem do asfalto.

Fabiano Martins de Medeiros, diretor superintendente da Ecosul, recebeu o prêmio. Foto: Divulgação ECOSUL

O projeto foi criado com base em referências buscadas em usinas dos Estados Unidos e contou com o apoio do curso de Engenharia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Já foram utilizadas 176 mil toneladas de mistura asfáltica com RAP desde 2019, somando 14,7 mil cargas transportadas, com material aplicado em cerca de 340 quilômetros de rodovias. Todos os ensaios, estudos e testes foram realizados em Pelotas e em uma usina localizada em Capão do Leão, com apoio da empresa gaúcha SBS Engenharia.

“Nós reutilizamos um material que seria descartado e, com isso, deixamos de extrair brita e outros materiais pétreos da natureza, proporcionando um ganho gigantesco na cadeia de redução de emissão de gases. Essa tecnologia também reduz o consumo de cimento asfáltico, que é derivado do petróleo e limitado na natureza”, explica Fabiano Martins de Medeiros, diretor superintendente da Ecosul. “Esse prêmio é um incentivo a mais para que intensifiquemos nossas ações voltadas à sustentabilidade. Hoje, 100% das obras da concessionária são feitas com materiais asfálticos em que são usados compostos provenientes de reciclagem”, acrescenta.