LOURENÇO CAZARRÉ VENCE PRÊMIO EM PORTUGAL

86
Neto de portugueses naturais de Cinfães, Lourenço Cazarré nasceu, em 1953, em Pelotas, no Estado brasileiro do Rio Grande do Sul, é jornalista e autor de mais de 40 livros. Foto: Arquivo pessoal.
Lusodescendente Lourenço Cazarré é o vencedor da 5.ª edição do Prêmio Imprensa Nacional/Ferreira de Castro

Com a obra Memória de Simeão Boa Morte e Outros Contos Poéticos, o lusodescendente Lourenço Cazarré conquistou a 5.ª edição do Prêmio Imprensa Nacional/Ferreira de Castro, promovido pela Imprensa Nacional-Casa da Moeda (em Portugal), em parceria com o Ministério dos Negócios Estrangeiros, e dirigido a lusodescendentes e a portugueses que residem fora de Portugal.

O júri do Prêmio, composto por Luís Filipe Castro Mendes (presidente), Martina Matozzi e Paula Mendes, justifica a distinção do trabalho assinado por Cazarré “pela criatividade e capacidade de invenção dos seus contos, que estabelecem diálogos singulares com grandes obras da literatura de língua portuguesa, de modo sempre poético, mas também irreverente”.

Neto de portugueses naturais de Cinfães, Lourenço Cazarré nasceu, em 1953, em Pelotas, no Estado brasileiro do Rio Grande do Sul, é jornalista e autor de mais de 40 livros, entre coletâneas de contos (Enfeitiçados Todos Nós, A Arte Excêntrica dos GoleirosExercícios Espirituais para Insônia e Incerteza e Noturnos do Amor e da Morte)romances (A Longa Migração do Temível Tubarão Branco, Kzar Alexander, o Louco de Pelotas e O Soldado amarelo) e novelas juvenis (A Guerra do LancheNadando contra a MorteA Fabulosa Morte do Professor de Português e Amor e Guerra em Canudos).

Nesta 5.ª edição do Prêmio, foram selecionadas 69 candidaturas de diversas realidades e latitudes geográficas: Bélgica, Reino Unido, Estados Unidos da América, Cabo Verde, Brasil, França, Irlanda, Suíça, Espanha, Canadá, Sri Lanka e Portugal.

O Prêmio Imprensa Nacional/Ferreira de Castro, além de homenagear a figura incontornável e exemplar de Ferreira de Castro, pretende reforçar os vínculos de pertença à língua e cultura portuguesas, estimular a participação de portugueses residentes no estrangeiro e lusodescendentes, prestando, assim, às comunidades portuguesas dispersas pelo mundo o justo reconhecimento pelas atividades que desenvolvem nos seus países de acolhimento.

Além do valor pecuniário, o Prêmio Imprensa Nacional/Ferreira de Castro contempla ainda a publicação da obra vencedora pela Imprensa Nacional, a chancela editorial da INCM.