A MAIOR TRAGÉDIA NATURAL DA HISTÓRIA DO RS

248
Casas submersas em Lajeado. Foto: Diego Vara/Reuters

Com calamidade pública decretada, o RS vive a “maior tragédia natural da sua história”. Com cerca de 30 mortos e mais de 67 mil afetados, o Estado convive com cidades submersas, a ameaça de cheias ainda maiores e a dificuldade das autoridades para executar os resgates.

A Defesa Civil afirma que há 60 desaparecidos e 36 feridos. O órgão soma cerca de 14,8 mil pessoas fora de casa, sendo 4.645 pessoas em abrigos e 10.242 desalojados. Ao todo, 154 dos 496 municípios do RS registraram algum tipo de problema, afetando 71,3 mil pessoas.

Os meteorologistas explicam que a catástrofe é resultado de pelo menos três fenômenos que afetam a região e foram agravados pelas mudanças no clima. E a tendência é de piora por conta da previsão de mais chuva.

A condição começou em 26 de abril, quando o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), ligado ao governo federal, emitiu um alerta de tempestades para o estado. Naquele dia, a previsão ainda era de chuvas em algumas regiões do estado. Mas o cenário foi se agravando ao longo dos dias.

Cenário de piora

O coordenador da equipe de monitoramento do Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), Marcelo Seluchi, explica que a soma dessas condições criou o cenário para o que os especialistas projetam ser o maior volume de chuva já registrado na história do estado.

A previsão é de que a condição se mantenha até o sábado (4) com acumulados que podem chegar até 400 milímetros, que devem se somar aos mais de 300 milímetros de chuva registrados nos últimos 4 dias.