ARTIGO – PELOTAS VIVE TEMPOS SOBRIOS

323

Pelotas vive tempos sombrios

Marcelo Bagé*

São dias difíceis, na princesa do sul. Há décadas, perdemos as indústrias e com o passar dos anos, as gestões que se sucederam, não desenvolveram capacidade para atraí-las. Para empreender em Pelotas, trava-se uma guerra, como vimos em alguns episódios recentes. Quem não lembra dos fatos que antecederam e impuseram obstáculos para a instalação das lojas havan? Recentemente, em campanha eleitoral, conheci um senhor que aguardava há mais de dezoito meses a autorização para dar início às obras de seu empreendimento, no “distrito industrial”.

Alguns dias atrás, em um programa de rádio, conheci o administrador de um frigorífico, indignado, que não conseguia trabalhar nos feriados estendidos, pois a inspeção municipal não funcionava, ocasionando incalculáveis prejuízos. Tudo somado aos aumentos de impostos ocorridos na últimas gestões, além de medidas prejudiciais, como a construção de corredores de ônibus, que devastou os empreendimentos da Rua General Osório, me fazem crer que há uma espécie de má vontade para com os empreendedores locais.

Quais os resultados de tanto descaso?

A prefeitura já anunciou o déficit orçamentário na casa dos R$ 282 milhões, os servidores terão salários pagos com atraso, os hospitais filantrópicos do município estão por fechar leitos do SUS a qualquer momento e os empregos não param de desaparecer.

Pelotas tem alguns problemas estruturais graves, todos sabemos, mas boa parte deles poderiam ser atenuados, se tivéssemos um poder público comprometido com a atração de investimentos, ao invés de impor severas dificuldades a quem deseja empreender no município.

Em breve, começarão as atividades políticas e, claro, o principal cartaz da propaganda do governo que buscará continuidade, serão as ruas asfaltadas com dinheiro oriundo das emendas parlamentares do único Deputado Federal da região, bem como a iluminação de LED, financiada, parte em emendas e parte com a criação da contribuição de iluminação pública, empurrada goela abaixo da população. Embora importantes, contudo, é de bom alvitre salientar que tais medidas pouco ou nada contribuem no que diz respeito ao desenvolvimento econômico.

Por outro lado, claro, o PT e os partidos de seu entorno tentarão utilizar-se da força do governo federal para vencer as eleições e conduzir a cidade para um caminho ainda mais desastroso. Que o grande Deus nos livre!

Não serão eleições fáceis e nós teremos uma missão bastante árdua. Quando digo “nós”, me refiro a todos que amam a princesa do sul e que desejam construir uma cidade próspera, onde os servidores recebam os salários sempre em dia, onde haja boa vontade para com quem empreende, competência para atrair investimentos, articulação que não permita o fechamento de leitos, coragem para reduzir o número de cargos políticos, para cortar despesas, rejeitar o aumento de impostos e, assim, devolver esperança às famílias que, dia pós dia, veem seus filhos irem embora, por falta de oportunidades, ou ficarem à mercê de auxílios governamentais.

Pelotas precisa ser resgatada, reconstruída, e a tarefa será de todos nós, começando em 2024, com a escolha de representantes um pouco mais qualificados e comprometidos com o desenvolvimento econômico do município.

*Suplente de Deputado Federal pelo PL – Partido Liberal