A IRONIA II – MOZART VÍCTOR RUSSOMANO

111
Mozart Victor Russomano – Pelotas, 5 de julho de 1922 — Pelotas, 17 de outubro de 2010. Jurista, professor universitário jubilado de direito do trabalho e seguridade social das faculdades de direito da Universidade Federal de Pelotas e da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, hoje integrada à UFPel. Também foi professor titular da Universidade de Brasília, de 1973 a 1982.

LEITURA SELECIONADA – De A Morte do Viajante Apressado

A IRONIA – II – Mozart Victor Russomano

A jovem senhora entrou na casa de modas do Faubourg St. Honoré à procura de um chapéu. O proprietário baixo todo o estoque, sem resultado. Duas horas depois, em desespero de causa, ele apanhou uma fita de tafetá, armou-a ao sabor de sua fantasia inspirada e, no entusiasmo do improviso, depositou-a, de leve, sobre os cabelos doirados da freguesa exigente.

Esta olhou-se no espelho e gritou:

– Magnífico! Perfeito! Era o que eu queria! Qual é o preço?

– Quinhentos dólares.

– Mas, que absurdo! Quinhentos dólares por uma fita…- protestou a bela senhora.

– Não, madame!

Com um gesto rápido, o modista desmanchou o chapéu.

– Não, madame: a fita não custa nada…

E deixou cair, sobre o tapete, a faixa mole e morta da seda vulgar.