PELOTAS APRESENTA MAIOR EVOLUÇÃO DO RS NO RANKING DE SANEAMENTO

323
De acordo com o relatório, entre os indicadores levados em conta para a análise, o principal corresponde à disponibilidade de água tratada. Por atender 99,99% do município com o serviço, Pelotas supera a média nacional (84,13%) e, também, a das 100 cidades avaliadas na pesquisa (94,38%). Diretora-presidente do Sanep, Michele Alsina enfatizou que, mesmo alcançando a totalidade do indicador, o abastecimento continua sendo uma prioridade.

Pelotas é uma das duas cidades gaúchas que apresenta evolução no ranking do saneamento divulgado pelo Instituto Trata Brasil, nesta semana. O município avançou quatro posições em relação à lista de 2021, figurando como uma das duas cidades gaúchas – entre as seis contempladas pelo estudo – a evoluir na tabela, ao lado de Canoas.

A prefeita Paula Mascarenhas atribuiu o resultado ao trabalho, planejamento e investimentos do Sanep no setor, e destacou que grandes obras em andamento na cidade, como a construção das estações de tratamento de água e de esgoto São Gonçalo e Novo Mundo, respectivamente, impactarão em avanços significativos a curto prazo. “Nos últimos anos foram investidos mais de R$ 100 milhões em água, esgoto, drenagem e resíduos sólidos no nosso município”, completou a prefeita.

De acordo com o relatório, entre os indicadores levados em conta para a análise, o principal corresponde à disponibilidade de água tratada. Por atender 99,99% do município com o serviço, Pelotas supera a média nacional (84,13%) e, também, a das 100 cidades avaliadas na pesquisa (94,38%). Diretora-presidente do Sanep, Michele Alsina enfatizou que, mesmo alcançando a totalidade do indicador, o abastecimento continua sendo uma prioridade.

“Isso inclui investimentos no processo de tratamento, substituição por tubulações mais modernas e resistentes a vazamentos, e projetos importantes de infraestrutura saindo do papel, como o novo reservatório no Balneário dos Prazeres e a ETA São Gonçalo, que dará mais segurança ao sistema como um todo, ao injetar 500 litros por segundo na rede”, frisou Michele.

DESAFIO PARA PELOTAS E PARA O BRASIL
Se a distribuição de água potável – um dos gargalos do saneamento no país, considerando que mais de 35 milhões de brasileiros ainda não têm acesso à água tratada – é uma meta superada em Pelotas, a universalização do esgoto é encarada como o grande desafio nesta área para o município e para grande parte do Brasil, uma vez que 100 milhões de habitantes não contam com a coleta de esgoto.

“Esta edição do ranking nos mostra que conseguimos evoluir mesmo em um período crítico, o que incentiva o Sanep a seguir enfrentando os desafios. Temos um longo caminho pela frente em direção à universalização e estamos preparados e dispostos a percorrê-lo”, ressaltou a diretora-presidente.

Atualmente, Pelotas tem cerca de 500 quilômetros de tubulação de esgoto, atinge 60% no índice de efluentes coletados e 18% no tratamento de esgoto. Com a operacionalização da ETE Novo Mundo, o percentual chegará a 40%. Paralelo às obras de ampliação do sistema em andamento, o Município continua voltado ao planejamento para atingir a meta de universalização estabelecida pelo Novo Marco Legal do Saneamento e ao estudo técnico referente à adesão ou não ao modelo de regionalização proposto pelo Estado através da Lei 15.795/2022.

Nas próximas semanas, o debate será ampliado com a participação da Câmara de Vereadores e da sociedade. De acordo com a atualização da legislação, publicada pelo governo federal em 2020, os serviços públicos de saneamento básico deverão definir planos que garantam o atendimento de 99% da população abastecida com água potável e 90% com esgoto coletado e tratado até dezembro de 2033.

RANKING CONSIDERA INDICADORES DE 2020
O relatório, divulgado anualmente a partir dos indicadores do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (Snis), considera os 100 maiores municípios brasileiros, concentrando cerca de 40% da população nacional. Esta edição analisou os índices referentes a 2020. Pelotas, atualmente, está na 80ª posição do ranking, que também avaliou os dados de Porto Alegre, Caxias do Sul, Santa Maria, Gravataí e Canoas.