MEMÓRIA DO TREZE HORAS: JOÃO SALDANHA E SINVAL GUAZZELLI NO TREZE

61
João Saldanha, Clayton Rocha e Sinval Guazzelli no antigo estúdio do Edifício Banlavoura onde o Treze atuou por mais de duas décadas.

Um encontro inusitado no Treze Horas. Meados dos anos 80, o programa era gerado do Edifício Banlavoura, na rua XV de Novembro. Encontram-se no Treze o famoso comentarista esportivo, jornalista e ex-técnico de futebol João Saldanha e o político e ex-governador do RS, Sinval Guazzelli. Saldanha iria comentar o famoso encontro entre Brasil x Flamengo, válido pelo Campeonato Brasileiro e Guazzelli estava em roteiro na região. Os dois, amigos de Clayton Rocha, foram a programa e brindaram os ouvintes com um festival de histórias fazendo, naquele dia de 1985, um dos históricos encontros no Treze Horas. O Memória do Treze Horas deste feriado de Proclamação da República, 15 de Novembro, relembra este fato marcante na vida do Treze em seus 41 Anos de existência.

SALDANHA E GUAZZELLI

João Alves Jobim Saldanha (Alegrete, 3 de julho de 1917 — Roma, 12 de julho de 1990) militante político, jornalista, escritor e técnico de futebol. Atuou profissionalmente por alguns anos no Botafogo, seu time do coração, mas abandonou a carreira e se graduou em jornalismo, tendo se tornado um dos mais destacados da crônica esportiva brasileira. Como técnico de futebol, levou o Botafogo ao título carioca de 1957 e a Seleção Brasileira a classificar-se para a Copa do Mundo de 1970. Foi afastado do comando da seleção nacional meses antes do início da competição, em uma história até hoje não esclarecida. Apelidado por Nelson Rodrigues como João Sem-Medo, militou por toda sua vida adulta no PCB-Partido Comunista Brasileiro.

Sinval Sebastião Duarte Guazzelli (Vacaria, 24 de janeiro de 1930 — Brasília, 12 de abril de 2001). Advogado e político gaúcho, governador do RS em duas ocasiões. Graduado em Direito pela PUC-RS, iniciou sua carreira em sua cidade natal, Vacaria, onde foi vice-prefeito e prefeito. Em 1958 elegeu-se deputado estadual e, em 1970, deputado federal. Guazzelli foi filiado inicialmente ao antigo PDC, depois à ARENA, e mais tarde fundou junto com Tancredo Neves o Partido Popular (PP), o qual foi posteriormente absorvido pelo PMDB, onde ele ficou até falecer. Como integrante da ARENA, Guazzelli foi designado como governador gaúcho, permanecendo no cargo de 1975 a 1979. Posteriormente elegeu-se vice-governador de Pedro Simon, assumindo o cargo de governador quando Simon renunciou para concorrer a senador. Governou por onze meses, passando o cargo para Alceu Colares em 1991. Em 1998, elegeu-se deputado federal pelo PMDB, sendo empossado no início de fevereiro de 1999. Permaneceu no cargo até sua morte em 2001, vitimado pela esclerose lateral amiotrófica. Era primo do deputado federal Eloar Guazzelli e foi casado e foi casado com a deputada estadual Ecléa Guazzelli.