ARTIGO – TARSO GENRO, CONFERENCISTA EM 32 ANOS DE CICLO!

203

TARSO GENRO, CONFERENCISTA EM 32 ANOS DE CICLO!
( 1980/2012).

Clayton Rocha*
.
O 13 H nasceu em 1978 e o Ciclo da UFPel em 1980.

A bordo de um Passat, então movido pela juventude e pelo entusiasmo, eu costumava buscar – na rodoviária de Pelotas – um advogado de Santa Maria, mas filho de São Borja. Eu o apreciava muito, era um jovem brilhante, e marcou época aqui no Sul do Estado com as suas palestras. Esse moço, de nome Tarso Genro, era – à época – apenas um advogado. Com o passar do tempo, fui testemunha de seus admiráveis avanços: líder político, vice-Prefeito de Porto Alegre, Prefeito de Porto Alegre, deputado federal, ministro da Educação, presidente nacional do PT, Governador do Rio Grande do Sul, “presidenciável” e ministro da Justiça.
.

Numa data importante do 13 Horas, já Governador do Estado, recebeu a equipe em almoço de confraternização na ala residencial do palácio Piratini. Foto: Arquivo do Treze Horas.

Toda vez que venho a Pelotas, o 13 Horas é – para mim – um endereço obrigatório, disse-me certa feita, pois eu era apenas um advogado visitante quando falava no Ciclo de Palestras da UFPel e no 13 Horas, e recebia permanentes convites desses dois endereços. Doutor Honoris Causa da UFPel, título proposto ao Conselho Universitário pelo Reitor César Borges, Tarso foi decisivo em questões de alto interesse da Universidade Federal quando ministro da Educação. Numa data importante do 13 Horas, já Governador do Estado, recebeu a equipe em almoço de confraternização na ala residencial do palácio Piratini. Em sua carreira política tinha por hábito retribuir gestos, e foi exemplar, até hoje, com esse debate de quase quarenta e cinco anos. Admiro-o pelo brilho intelectual, pela arte da palavra, mas sobretudo pelas inesgotáveis atenções com o Ciclo de Palestras, com o 13 Horas e, registre-se, com a minha pessoa.

Penso que, ao acabar com o Ciclo Permanente de Palestras da UFPel em 2013, Mauro Augusto Burkert del Pino pensou com o fígado, novato que era no papel de “Magnífico”, numa época em que lhe faltou grandeza para que pudesse sobrar rancor ideológico. Infelizmente, e na sequência administrativa, a partir de 2017, Pedro Rodrigues Curi Hallal também não foi capaz de retirar o Ciclo da ” cova rasa” na qual foi sepultado. Em matéria de diplomacia, convenhamos, essas atitudes soaram como infantilidades imperdoáveis além de agressões de cunho pessoal. Sem esquecer ainda que foi Tarso Genro – um petista histórico – por sinal o partido de Del Pino e de Hallal, quem alavancou esses 32 anos de notáveis conferencistas brasileiros. (CR)

*Jornalista e criador do Treze Horas