ARTIGO – O VÁCUO DECISÓRIO – Podcast

170
Ivon Carrico no Campo de Concentração Nazista de Auschwitz, na Polônia

O VÁCUO DECISÓRIO

Ivon Carrico*

No início de 2014 visitei o antigo Campo de Concentração Nazista de Auschwitz, na Polônia. Lá, aflitos, aqueles prisioneiros procuravam – ao final da Guerra – uma “ausgang”, ou seja, uma saída. Para fugir daquele inferno.

O propósito da minha visita era, entretanto, saber das iniquidades lá ocorridas e cotejá-las com a realidade resultante.

Infelizmente, o saldo não foi razoável, pois o mundo continuou dividido.

Em Berlim tivemos a síntese dessa intolerância. O Muro, contudo, caiu, mas não as intransigências. Governos continuaram (am) a fomentar a discórdia e essa mesma intolerância.

Daí que, vez por outra, somos sacudidos por assombrações. Em diversas latitudes!

Este ano, 2020, foi atípico. Tivemos que conviver ainda com o impensável – uma Pandemia!

No Brasil a sociedade continua polarizada. E pessoas, também, celebram essa divisão. Pior a incentivam. Gerando um ódio desnecessário e exógeno ao nosso processo como Nação.

Contribuindo para esse cenário, essa emergência sanitária está fazendo estragos não só no comportamento, mas na economia e, também, na Governança.

Isto posto, penso que em 2021 haverá uma exacerbação da cena política com a entrada de novos atores e o ocaso de outros tantos.

Tudo causado pelo vácuo decisório nas diversas esferas e níveis do Poder decorrente desse cenário exposto.

Assim, tal como em Auschwitz estamos todos procurando uma saída. Para fugir dessas tantas incongruências.

*Ex-diretor da Anvisa e colaborador do Treze Horas em Brasília

ARTIGO – O VÁCUO DECISÓRIO – Podcast