ARTIGO – O TEMPO É O SENHOR DA RAZÃO – Podcast

28

O TEMPO É O SENHOR DA RAZÃO

Ivon Carrico*

Em recente entrevista e, para espanto geral daqueles mais desavisados, o Ministro/STF, Gilmar Mendes, mandou o seguinte recado: “a política tradicional deu estabilidade ao Governo”.

Vale lembrar, no entanto, que – em sua cruzada anticorrupção – o então candidato Bolsonaro, em 2018, execrava essa ‘velha política’, tão onipresente na coisa pública. Mesmo discurso do então candidato Collor de Mello na famosa ‘caça aos marajás’ e do então candidato Lula com a sua ‘bandeira da ética’.

Mas, realmente, o ‘tempo é o Senhor da razão’, como o Collor, em seu fugaz delírio de Poder, já como Presidente, gostava de estampar em suas camisetas, ao sair da famosa Casa da Dinda quando das suas conhecidas corridas matinais.

Pois, então, … o tempo veio e mostrou que todas essas propostas foram por água abaixo face ao furor e ao despudor dos caciques dessa ‘política tradicional’, muitos sob a alcunha do polêmico ‘Centrão’.

Por sua vez, ainda ontem, o Guilherme Boulos (PSOL/SP), candidato ao Governo de São Paulo, em debate na TV, fez a apologia de uma Reforma Política para afastar essa nódoa da cena pública.

E na mesma toada, hoje, o Jornalista Alexandre Garcia, expoente da Direita tupiniquim, em excelente artigo na imprensa, destacou que ‘o Império, a Velha e a Nova República, conservaram o mau hábito, sempre em defesa do interesse dos que se apropriam do Estado’.

Isto posto, para exorcizar do mapa essa iniquidade, não bastou uma Lava Jato, ainda que diante de tantos acertos e desacertos. A coisa se apresenta mais profunda, intrínseca à formação do Estado brasileiro. Daí que uma Reforma Política é premente. E a reboque, uma Reforma do Judiciário. Mais uma vez, … o tempo será o Senhor da razão.

*Ivon Carrico é pelotense, mora em Brasília, atuando na administração há quase 50 anos. Atuou na ANVISA e na Presidência da República. (Brasília, 17/11/2021).