DELEGADO PELOTENSE ASSUME A CHEFIA DA POLÍCIA FEDERAL NO BRASIL

425
Natural de Pelotas, no Rio Grande do Sul, Rodrigues tem 52 anos, é graduado em Direito pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e mestre em Alta Gestão em Segurança Internacional pelo Centro Universitário da Guarda Civil da Espanha (CUGC) e pela Universidade Carlos III de Madri (UC3M). Foto: Divulgação

O delegado Andrei Augusto Passos Rodrigues tomou posse, nesta segunda-feira, 02.01, como diretor-geral da Polícia Federal (PF). A cerimônia aconteceu no Ministério de Justiça e Segurança Pública, em Brasília.

Rodrigues substitui o delegado Márcio Nunes – o quarto nome a assumir o comando da corporação ao longo do governo Jair Bolsonaro (PL).

O novo chefe da PF foi o responsável pela segurança do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na campanha eleitoral. Depois da eleição, foi escalado para o Grupo de Trabalho de Justiça e Segurança Pública e coordenou o Grupo de Trabalho de Inteligência Estratégica.

Ao longo da campanha, o delegado pediu a abertura de inquéritos para investigar ameaças a Lula. Também assinou o pedido enviado pela equipe de transição ao Supremo Tribunal Federal (STF) para suspender o porte de armas em Brasília no período da posse.

A aproximação com o PT começou na campanha de 2010, quando o delegado cuidou da segurança da ex-presidente Dilma Rousseff (PT). No governo da petista, assumiu a Secretaria Extraordinária de Segurança para Grandes Eventos, órgão responsável pelas operações de segurança da Copa do Mundo de 2014 e da Olimpíada de 2016.

Currículo
Natural de Pelotas, Rodrigues tem 52 anos, é graduado em Direito pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel) e mestre em Alta Gestão em Segurança Internacional pelo Centro Universitário da Guarda Civil da Espanha (CUGC) e pela Universidade Carlos III de Madri (UC3M).

Delegado de Polícia Federal há mais de vinte anos, foi chefe da Delegacia de Repressão a Entorpecentes em Manaus, da Delegacia Repressão a Crimes Fazendários em Porto Alegre e do Aeroporto Internacional de Brasília. Também foi assistente da Diretoria-Executiva da PF e oficial de ligação da corporação em Madri.

O delegado ainda foi Coordenador-Geral de Polícia Fazendária e chefe da Unidade de Gestão Estratégica da Diretoria de Tecnologia da Inovação da Polícia Federal. O cargo mais recente foi o de chefe da Divisão de Relações Internacionais.