FABRÍCIO TAVARES, EX-VICE-PREFEITO, ATUA PRÓ PORTO ALTERNATIVO NO SÃO GONÇALO – Podcast

710
Fabrício Tavares reside hoje no Uruguai. Ele foi vice-prefeito de Pelotas e Presidente da Câmara de Vereadores do Município. Esteve no Treze Horas desta sexta-feira, 11.03.
Novo Porto ficará em frente ao de Pelotas, na margem que costeia o São Gonçalo, mas no município de Rio Grande.

O ex-vice prefeito de Pelotas e Presidente da Câmara Municipal, Fabrício Tavares, esteve no Treze Horas desta sexta-feira. Tavares está residindo no Uruguai mas trabalha juntamente com um grupo de investidores, liderado por uma empresa de São Paulo, em favor da construção de um segundo porto em Rio Grande. A operação ficaria no canal São Gonçalo, no limite entre o município e Pelotas. A ideia já havia sido tratada no Treze Horas pelo deputado federal Jerônimo Goergen (PP-RS).  O novo porto é um projeto totalmente privado e atenderia uma demanda importante, se somando aos atuais terminais de Pelotas e Rio Grande. Um dos destaques é que o Canal São Gonçalo faz ligação com a hidrovia da Lagoa Mirim, que, por sua vez, se conecta diretamente com o Uruguai.

EX-VICE-PREFEITO DE PELOTAS FABRÍCIO TAVARES TRABALHA EM FAVOR DE PORTO ALTERNATIVO NO CANAL SÃO GONÇALO – Podcast

Para o porto sair do papel é preciso que ocorra a dragagem do canal, destacou Fabrício Tavares, uma demanda que já vem sendo pleiteada por empresários e políticos locais há algum tempo. Com a dragagem, navios maiores e carregando grandes volumes poderiam passar pela área, viabilizando a nova operação. Aliás, em novembro, o governo federal publicou um decreto autorizando a concessão de hidrovia fluvial e canal São Gonçalo.

A dragagem do canal está sendo estudada pela empresa DTA – Engenharia Portuária & Ambiental, uma das principais do setor de dragagem no Brasil, que está fazendo o estudo da situação. A estimativa é que o investimento na dragagem gire em torno dos R$ 500 milhões. O governo federal encaminhou o processo para a DTA realizar um estudo. Depois, será analisado se o processo de dragagem será concedido a um investimento privado ou se será feito pelo próprio governo. A questão no canal não é um problema de largura, mas sim de profundidade. Por isso da dragagem. O licenciamento, segundo o ex-vice prefeito é feito pelo IBAMA.

Em um vídeo institucional organizado pelos investidores, há destaque para localização do novo porto. Ele fica em uma área de 137,5 hectares, com acesso direto à BR-392 e ligação com o porto de Rio Grande, destacou Tavares.