BANDEIRA DO TREZE HORAS: DUPLICAÇÃO DA BR-116 É UMA LUTA A SER TRAVADA TODOS OS DIAS

96
A BR-116 é uma bandeira do Programa Treze Horas que começou mobilização regional para a aceleração de ritmo das obras, que estavam paradas em 2016.
Uma bandeira do Treze Horas que foi  traçada em 2016 quando as obras estavam literalmente paradas: A duplicação do trecho sul – Guaíba / Pelotas – da BR-116. A ‘ideia’ foi deflagrada em agosto de 2016 aqui no programa Treze Horas e que promoveu contatos e reuniões em Brasília, onde foi realizada a nossa programação, em outubro, direto do gabinete do ministro dos transportes Maurício Quintela, efetivamente marcando o início dos compromissos com a obra. Diariamente o Treze Horas aborda o tema seja com entrevistas, informações, publicações no site, comentários, enfim, uma gama de participações de ‘atores’ que após a iniciativa se somaram a pauta e que repassam constantemente ações relacionadas a duplicação.
A articulação a época foi feita pelo então deputado federal Cajar Nardes. Agora, em andamento há mais de uma década, as obras da duplicação da BR-116 devem ter novos trechos entregues nos próximos meses. A obra entre Guaíba e Camaquã terá 10 novos quilômetros duplicados e um viaduto entregue no terceiro trimestre deste ano. O Exército planeja entregar 10km duplicados entre os quilômetros 330 e 340 da rodovia, em Sertão Santana, no mês que vem. Na sequência, o Batalhão Ferroviário também conclui o viaduto de Barra do Ribeiro, com previsão de entrega para setembro de 2021. No fim de maio, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT) repassou novo aporte ao Comando Militar do Sul (CMS).
Foram liberados R$ 18 milhões. Dessa forma, as obras lotes um e dois, em Guaíba, vão prosseguir sem interrupção ao menos até outubro. No final do ano, no mês de dezembro, um novo trecho entre os quilômetros 340 e 351 estará pronto.  Para 2022 restarão 14 quilômetros e os viadutos viadutos Guaíba e Pedras Brancas para serem finalizados. Os trechos e viadutos deverão ser concluídos no primeiro semestre de 2022. Atualmente, 248 militares trabalham na obra.