ARTIGO – PERCEBERAM QUE PELOTAS PODERÁ DAR UM PRESIDENTE AO BRASIL?

74
Paulo Gastal Neto – Equipe Treze Horas

PERCEBERAM QUE PELOTAS PODERÁ DAR UM PRESIDENTE AO BRASIL?

Paulo Gastal Neto*

Dia desses esteve no Treze Horas o jornalista pelotense Luiz Ricardo Lanzetta, 72 anos, que mora em Brasília desde sempre. É um cara ligado, tem luz própria, é da política e conhece como poucos os bastidores do poder. Sem pestanejar disse enfaticamente durante a sua brilhante participação no programa: ‘- a cidade de Pelotas se deu conta que ‘poderá ter um presidente da república? E mais disse Lanzetta: Que temos um pelotense desafiando o poderoso estado de São Paulo?

Na semana passada o ex-reitor da UFPEL, Pedro Hallal, reconhecidamente um homem com uma visão de esquerda, em entrevista ao Treze e questionado sobre Eduardo Leite e sua possibilidade de ascensão política em nível nacional respondeu sem pestanejar: ‘ – Se o Eduardo Leite vencer as prévias do PSDB será o próximo presidente da república’. Está gravado e a entrevista está no aqui no site do programa – www.pelotas13horas.com.br . A declaração não caiu bem no campo político onde Hallal atua, porém revela talvez não um desejo, mas sim uma observação realista de que quem acompanha de perto o momento político nacional.

Em outro momento, comentei aqui mesmo no programa, que as entidades de classe de Pelotas, num passado recente, sempre se uniram em uma só voz com o intuito de defender candidaturas locais para as Câmara dos Deputados e Assembléia Legislativa do RS. Havia inclusive mídia deliberadamente explícita com o referido conteúdo e as manifestações em prol de qualquer candidatura, independente do partido político, chamavam a atenção para que ‘o nosso eleitor’ votasse em ‘gente daqui’! Quem não lembra?

Nas redes sociais – quem acompanha o governador do RS na condição de pré-candidato – percebe uma intensa movimentação em várias partes do país. Eduardo Leite sacudiu o estado de São Paulo, reduto histórico do Tucanato. Está abalando estruturas políticas sedimentadas historicamente. Isto por si só já é um fato político monumental para uma cidade que há poucos anos lamentava-se de tudo e convivia com uma baixa estima contagiante. É hora de ‘surfar’ nessa onda!

Agora fica a pergunta: após Eduardo Leite ter sido contemplado com cerca de 90% dos votos dos pelotenses quando candidato ao governo do estado, não deveria acontecer um levante local ou regional em favor de sua pré-candidatura ao cargo máximo do país? E outra coisa: recebo mensagens de WhatsApp de quem nem conheço criticando ou desdenhando a pré-candidatura do nosso conterrâneo. Pergunto: onde andavam esses pródigos em 2018? Será que apresentam argumentos razoáveis para um debate harmônico ou pelo menos em nível tolerável? Para onde foi a política nacional? Sabem de uma coisa? Há sim um caminhão carregado de inveja, dor de cotovelo e falsidade circulando pelas ruas da cidade, tentando entregar sua carga em cérebros com um latifúndio a ser ocupado.

Recordo que no programa Treze Horas sou um dos que tenho batido nessa tecla e chamado a atenção para este fato: o desafio de um pelotense para com um paulista no embate pelo maior cargo político do país. No mais há um silêncio impressionante. Há um sentimento de receios será?

Pelotas sabidamente já teve administrações de esquerda e direita e isso pouco importa nesse momento que deveria ser de aglutinação geral. É compreensível que os movimentos políticos se tornam difíceis em algumas ocasiões e se o nosso ex-prefeito passar pelas prévias não será fácil conduzir o processo eleitoral por aqui, pois a imposição nacional falará mais alto. Os cenários aqui serão diametralmente opostos aos colocados em outros locais em decorrência – obviamente – de uma candidatura de Pelotas postulando a presidência da república. Qualquer partido que seja independente de sua vertente ideológica terá imensa dificuldade de pedir voto para outro candidato que não seja um de nossa cidade e que tem na bagagem uma boa administração na prefeitura e no governo do estado, gostem ou não.

Está aí uma questão para a cidade! Vivam mais a pré-candidatura do nosso conterrâneo. Soltem-se das amarras, dos orgulhos e dos possíveis preconceitos que possa haver. Gritem que Eduardo poderá ser Presidente da República e é de Pelotas, pelo menos!

*Radialista e editor do site www.pelotas13horas.com.br