ARTIGO – O REI ESTÁ NU

195

O REI ESTÁ NU

De Brasília – Ivon Carrico*

Em recente edição a Folha de São Paulo trouxe interessante matéria onde destacava que o Brasil, hoje, produz só 5% dos insumos farmacêuticos que consome.

Nessa reportagem a Associação Brasileira da Indústria de Insumos Farmacêuticos informa ainda que, na década de 80 passada, nosso País produzia 55%.

Para essa entidade e Economistas ouvidos esse fenômeno decorre da globalização da economia, implementada na década de 90, onde produzir aqui passou a sair mais caro.

Por aqui, em outra seara, reduzimos esses custos e expandimos nossa fronteira agrícola e, em consequência, a econômica mediante o uso intensivo de pesquisas e novas tecnologias desenvolvidas pela EMBRAPA.

Em 1987 produzíamos 70 milhões de toneladas de grãos. Hoje, 260 milhões! Somos, também, campeão mundial na produção e exportação de proteína animal.

Agora essa Pandemia nos mostrou as tantas incongruências que emergiram na área de saúde.

De repente descobrimos que o “Rei está nu”! Como no Conto “A roupa nova do rei”, de autoria do dinamarquês Hans Christian Andersen.

Daí que no tocante aos insumos farmacêuticos, objeto desta reflexão, parece existir uma considerável falta de sintonia entre o MS/Ministério da Saúde e entidades vinculadas e/ou supervisionadas, apesar do histórico de políticas públicas de fomento à inovação e indústria nacional de insumos de saúde estratégicos desde os anos 2000.

Não seria a Secretaria de Ciência e Tecnologia/MS a responsável pelo acompanhamento desse tipo de insumos e sua produção no Brasil para fins de abastecimento? Isso não é competência da ANVISA. Esta, por sua vez, conhece o número de registros, de certificações de fábricas fora do país, bem como as importações efetivadas.

A ANVISA dispõe de um Corpo Técnico excelente. Com ampla proficiência. Como a FIOCRUZ e outras Congêneres no País, a exemplo do Instituto Butantan.

Todas essas entidades deveriam estar para o MS como a EMBRAPA está para o MAPA.

*Ivon Carrico é pelotense, mora em Brasília, mais de duas década de ANVISA e atualmente está na Presidência da República.