ARTIGO – O ENQUADRAMENTO DA ANVISA

171

O ENQUADRAMENTO DA ANVISA

Ivon Carrico* – De Brasília

Causou enorme indignação a recente entrevista do Deputado Federal Ricardo Barros (PP/PR), ex-Ministro da Saúde, uma das principais lideranças do Centrão e atual Líder do Governo ao jornal “O Estado de São Paulo”.

Em sua manifestação ao ‘Estadão” Sua Excelência afirmou que a ANVISA deveria ser enquadrada por conta de “exigências absurdas” na validação de vacinas contra a COVID-19 na contramão das principais Agências Sanitárias do mundo.

Enfatizando suas colocações fez, ainda, críticas aos atuais Diretores da ANVISA afirmando que os mesmos “não estavam nem aí para a Pandemia” e que atuaria com severidade nas questões relativas à essa Agência Reguladora no Parlamento.

Ora, essa manifestação é que nos parece estar na contramão, pois não pode estar a ANVISA a patrocinar interesses que não aqueles  da Ciência e da sociedade.

A ANVISA, integrada por seus Diretores e Servidores, tem demonstrado alto grau de profissionalismo e competência. Seus Diretores e Servidores mostraram à Nação a possibilidade da função pública ser exercida com dignidade e decência.

Se chegamos nessa Pandemia com tantos problemas muito disso se deve à inação dos tantos Ministros da Saúde que não souberam e/ou não quiseram resolver problemas básicos e recorrentes na área da saúde.

Daí que, a partir do final da década de 80, perdemos desde o protagonismo na produção de insumos farmacêuticos até a falta de oxigênio. A política nessa área é da exclusiva competência do Ministério da Saúde e são Programas de Governo.

Assim, não é a ANVISA que merece ser enquadrada, pois esta é  órgão do Estado e, não, de  Governos.

*Ivon Carrico é pelotense, mora em Brasília, mais de duas década de ANVISA e atualmente está na Presidência da República.