ARTIGO – BASTA QUE HAJA AMOR!

328
Professor Neiff Olavo Gomes Satte Alam, fundador do Treze Horas e integrante da equipe.

BASTA QUE HAJA AMOR!

Neiff Satte Alam*

Nossa sensibilidade com respostas diretas aos estímulos externos, nossa química em harmonia e equilíbrio dinâmicos nos tornam iguais aos demais animais. A aproximação de um outro ser de sexo diferente, mas que movimenta e desequilibra nossos hormônios e estabelece conflitos entre serotoninas, adrenalina e outros tantos produtos de nossa química, deixa-nos frágeis e suscetíveis de sermos dominados e aprisionados pelos tentáculos do amor e da paixão. Mas nossa capacidade de darmos sentido real e estabelecer limites éticos para estas paixões e amores, transforma-nos em animais especiais, conscientes de nossos atos e com capacidade ímpar de darmos o real significado a estes sentimentos.

Todas nossas imagens, cheiros e gostos armazenados em diversos pontos de nosso evoluído cérebro se organizam para filtrar tudo que tem de bom no alvo de nossa paixão, pois o amor não é cego, mas, ao contrário, ele consegue perceber, através de uma leitura não visual, a beleza, a harmonia e os pontos positivos do alvo de nossa paixão. Vemos o invisível, cheiramos o inodoro e tocamos a alma que se transforma em companheira e confidente de nosso mundo interior, mais rico, mais colorido e mais vivo.

Esta comunicação não material, mas que transforma nossa matéria; estas imagens não vistas, mas que dão forma diferente ao nosso corpo, o corpo de nossa paixão e ao entorno, pois este fica mais claro, mais iluminado e mais bonito.

Para os que amam e entre os que se amam as soluções dos problemas parecem ser mais fáceis, as dores do corpo se diluem e até desaparecem, as frustrações de objetivos antes não atingidos passam a ser força motriz para novas conquistas e a superação destas frustrações transforma-as em nova visão do mundo dos que nele se encontram.

O namoro é a forma encontrada pelo homem para tornar permanente este estado de harmonia. É dele que deveria nascer o fruto do amor, filhos que se constituam em continuidade deste sentimento que poderá ser a única forma de dar à humanidade um presente equilibrado e um futuro onde o planeta estará iluminado pelos espíritos e corpos em permanente estado de graça.

O beijo, o abraço e todas as demonstrações de carinho entre pessoas que se amam, são ações que promovem a eternidade da espécie humana e de cada ser humano, pois são ações que não ultrapassam o portal da morte física ficando armazenadas no poderoso cérebro humano que pode manter vivas todas as lembranças e recuperar todos os momentos de felicidade entre as pessoas e passá-las como lições de vida aos
descendentes.

Beijem-se, abracem-se e murmurem palavras de carinho todo os namorados/amantes e espalhem esta boa nova: o amor é a única chave para a felicidade nesta e na outra vida, em qualquer existência, independentemente das diferentes realidades de cada um, sejam pobres ou ricos, brancos ou pretos, de qualquer credo religioso ou posição político-partidária. Basta que haja amor!

*Professor Neiff Olavo Gomes Satte Alam, fundador do Treze Horas e integrante da equipe.