TREZE PRESTIGIA INAUGURAÇÃO DO MEMORIAL DE DOM ANTÔNIO ZATTERA NA UCPEL

265
Na foto o Capelão da UCPEL, Pe. Martinho Lenz, o reitor da universidade, dr. José Carlos Bachettini Jr. e o jornalista Clayton Rocha, coordenador do Pelotas Treze Horas e que conviveu com Dom Antônio Zattera.

Inauguração do Memorial marca as comemorações dos seus 120 anos de nascimento. O espaço foi criado para manter viva a história do fundador da UCPel.        

Uma obra que vence o tempo! Este foi o tema escolhido para a primeira mostra do novo Memorial Dom Antônio Zattera, espaço inaugurado na tarde de quarta-feira (30) para abrigar os feitos e a história do terceiro bispo de Pelotas. Aberta à visitação, a homenagem integra as comemorações dos 120 anos de nascimento de Dom Antônio, reconhecido nacionalmente por sua ação pastoral, social e educativa.

O programa Pelotas Treze Horas, o mais antigo no ar na Rádio da Universidade Católica de Pelotas, fundada por Dom Antônio, esteve representada no evento pelo coordenador, jornalista Clayton Rocha. Clayton lembrou passagens de Dom Antônio, junto ao reitor da universidade, Dr. José Carlos Bachettini Jr. e o Capelão da UCPEL, Pe. Martinho Lenz. Um dos painéis do Memorial contém uma frase do jornalista Clayton Rocha.

DOM ANTÔNIO

O bispo Antônio foi muito amado por sua comunidade. Amor que se transformou na concretização de várias obras, todas voltadas para contribuir com o desenvolvimento social da população. A criação da Universidade Católica de Pelotas (UCPel), primeira do interior do estado; do Instituto de Menores; ampliação e pintura da Catedral Metropolitana, por exemplo, saíram do papel graças ao seu entusiasmo, empenho e dedicação.

A trajetória de Dom Antônio Zattera foi pautada por muito trabalho, dedicação e transformação, comentou o reitor na UCPel, José Carlos Pereira Bachettini Júnior. “São mais de 40 mil acadêmicos formados pela Católica. Dom Antônio dizia que queria formar cidadãos diferenciados para a condução política e administrativa das cidades, organizações e empresas”.

Bachettini também comentou sobre como a obra de Dom Antônio, iniciada há mais de 70 anos, impactou positivamente a vida de moradores de toda a região sul. Apenas na área da saúde, a estrutura idealizada por Dom Antônio atendeu desde a sua criação mais de 8 milhões de pessoas, 20 vezes a população de Pelotas. “Isso mostra a grandeza desses conceitos que ele pensou e conseguiu colocar em prática”, avaliou o reitor.

Para o arcebispo e chanceler a UCPel, Dom Jacinto Bergmann, o espaço totalmente revitalizado busca relatar o passado para inspirar a construção do futuro. “As obras de Dom Antônio têm influência sobre todos nós. Ele investiu naquilo que é essencialmente humano. Olhava para a verdadeira educação, e quando apostava na saúde, ele queria mesmo era cuidar do próximo”, comentou.

A frente da concepção do novo espaço e seleção do acervo que compõe a exposição, a pró-reitora administrativa, Ana Maria Hackbart, identificou em uma área de grande circulação de alunos e professores o espaço ideal para o Memorial. “Reformamos esse espaço para que toda a comunidade possa vivenciar os grandes feitos criados e consolidados por Dom Antônio”, afirmou.

 Espaço de cara nova

O local conhecido anteriormente como Galeria de Arte foi totalmente reformado para abrigar o acervo de Dom Antônio Zattera. Anualmente, o espaço ganhará uma nova exposição com a intenção de manter viva as histórias e as lembranças deixadas pelo bispo que é considerado por muitos a personalidade do século XX em Pelotas.

Com o tema, Uma obra que vence o tempo!, a exposição de inauguração relembra em 10 painéis as principais obras realizadas por Dom Antônio. A descoberta da sua vocação pastoral, a criação do Instituto de Menores e da UCPel, a ampliação e pintura da Catedral, a concretização da Rádio Universidade, a aquisição do Hospital Universitário São Francisco de Paula, a construção de inúmeras igrejas, além de homenagens recebidas ainda em vida são relatadas através de textos e imagens.

A exposição ainda conta com objetos utilizados por Dom Antônio durante toda a sua vida. Roupas que ele vestiu nas cerimônias de inauguração da UCPel e Instituto de Menores podem ser conferidas. Também está exposto o seu rosário, caderno de oração e o atestado de primeira comunhão entre outros itens.

O projeto do Memorial Dom Antônio Zattera contou com a participação de vários profissionais da UCPel. O setor de Comunicação e Relacionamento foi responsável pela definição dos temas, seleção do acervo e produção do conteúdo. Já o projeto arquitetônico e a execução da obra foram realizados pelo Escritório Modelo de Engenharia e Arquitetura (EMEA) da instituição.

O Memorial Dom Antônio Zattera está aberto à visitação do público. O espaço fica localizado no saguão do Campus I, ao lado da sala dos professores. A UCPel funciona de segunda-feira a sexta-feira das 8h às 22h, e aos sábado, das 8h às 17h. A entrada é gratuita.