SÃO GONÇALO CHEGA A 2,88 M E IGUALA MARCA DE 1941

742
Prefeita Paula Mascarenhas faz vistoria no fim da tarde deste domingo. Foto Rodrigo Chagas

O nível do Canal São Gonçalo chegou aos 2,88 m no fim da tarde deste domingo e igualou a marca histórica da enchente de 1941. A prefeita Paula Mascarenhas fez vistoria na Casa de Bombas Olvebra, à beira do São Gonçalo. Neste momento são duas bombas operando, e uma extra em stand-by, cedida pela iniciativa privada.

A prefeita também anunciou neste domingo (12) a disponibilidade de maistrês bombas de drenagem por parte de empresários e os equipamentos devem ampliar o sistema de escoamento junto à casa de bombas Farroupilha. A supervisão e a operação das bombas será coordenada pelas equipes técnicas do Sanep. O Sanep faz um trabalho intenso, protegendo nossas casas de bombas, essenciais na guerra contra as cheias. Seguimos trabalhando para proteger a cidade e, acima de tudo, a nossa população disse Paula!

A prefeitura de Pelotas divulgou que o município tem 692 pessoas abrigados. De acordo com secretário de Assistência Social, Tiago Bundchen, na Colônia Z3, alguns integrantes das famílias abrigadas preferiram ir para barracas. As famílias, no entanto, permanecem.

Número de pessoas por abrigo:

Esef: 143 pessoas, 60 famílias

AABB: 138 pessoas, 49 famílias

CAVG: 58 pessoas, 26 famílias

Laranjal: 142 pessoas, 42 famílias

Z3: 149 pessoas, 47 famílias

Cenáculo: 41 pessoas, 12 famílias

Santa Terezinha: 21 pessoas, cinco famílias

Resgate na região do São Gonçalo teve início neste domingo

Cerca de 80 servidores foram ao local notificar moradores para deixar as áreas de risco

Pelo menos 80 servidores da Prefeitura, Ministério Público e forças de segurança em 20 viaturas notificaram na tarde deste domingo (12) moradores de diversas áreas da região do canal São Gonçalo, como Mário Meneghetti, Estrada do Engenho, Balsa, Navegantes, Fátima e Cruzeiro, para que saíssem imediatamente das suas casas e se dirigissem à casa de parentes ou abrigos. Conforme o Corpo de Bombeiros, o resgate após a chegada das águas no local seria muito mais complexo e, em determinadas situações, inviável. A ação não foi considerada de evacuação, mas de resgate, embora ainda em ambiente não inundado. A maioria dos abordados aceitou sair.

A condição da área não é a mesma do restante da cidade. Na região, segundo os bombeiros, a água pode ter um comportamento mais agressivo, de enxurrada. Nas demais, o alagamento ocorre de forma gradual, ainda que rapidamente. O canal São Gonçalo fica muito próximo das casas e já alcança o pátio de algumas residências. Além disso, a previsão é de que a situação se agrave a partir da noite desta segunda-feira (13).

Na ação, o contingente deslocado à região explicou a situação aos moradores, que foram oficialmente notificados a deixar a área de risco. Ministério Público e Prefeitura vão avaliar a necessidade de retirada compulsória dos que decidirem por permanecer.

De acordo com o coronel Isandré Antunes, do Corpo de Bombeiros, a situação exige medidas extremas na região, pois caso a água ultrapasse o limite de contenção “a água chegará com muita velocidade e força, provocando arrasto e carregando dejetos, o que inviabiliza a navegação e o acesso a pessoas para a retirada”. A análise considera o modelo feito por pesquisadores da Universidade Federal de Pelotas (UFPel) que atuam na Sala de Situação do 9º Batalhão de Infantaria Motorizada (BIMtz). No entanto, utiliza uma matriz de risco mais ampla, avaliando vulnerabilidades, nível de exposição e condições de resgate.

Na região, os agentes ainda identificaram animais que foram deixados nos imóveis e começaram a resgatá-los, já que a ordem é salvar todas as vidas, humanas ou não.

Participaram da ação agentes do Ministério Público, Comando Regional de Polícia Ostensiva do Sul (CRPO-Sul), 4° Batalhão da Brigada Militar (BPM), 5° Batalhão de Polícia de Choque, Defesa Civil, Corpo de Bombeiros do Rio Grande do Sul, Maranhão e Ceará, Guarda Municipal, agentes de trânsito, assistentes sociais da Secretaria de Habitação e Regularização Fundiária (SHRF), e voluntários. As famílias resgatadas foram levadas para abrigos. Os animais foram diretamente aos abrigos de animais.