PSB INDICA BETO ALBUQUERQUE AO GOVERNO DO ESTADO

43
Beto disputará o governo do Estado.

Partido ainda tem esperança de atrair apoio do PDT ou da federação encabeçada pelo PT para vagas em aberto

O PSB confirmou o nome de Beto Albuquerque na disputa ao governo do Estado, mas manteve o restante da chapa aberta na esperança de fechar com apoio do PDT ou da federação encabeçada pelo PT. A convenção do partido, na manhã de sábado, no Teatro Dante Barone, em Porto Alegre, reforçou a candidatura própria, como já era esperado, mas se engana quem pensa que não houve espaço para a discussão. Os representantes do partido deliberaram para que a executiva estadual siga tratativas e decida a situação dentro do prazo legal da homologação das candidaturas, analisando a situação de outras legendas que ainda não realizaram suas convenções. No entanto, os momentos que antecederam essa definição suscitaram acalorado debate entre os presentes.

Quadros como o vereador de Porto Alegre, Airto Ferronato, e o ex-governador do Estado, Vicente Bogo, entre outros, colocaram seus nomes à disposição para concorrer ao cargo de Senador. Ferronato insistiu para que o PSB escolhesse, já na convenção, o nome a senador, ficando o posto de vice apenas em aberto. A proposta dividiu os presentes no Dante Barone, dando início a um debate que transcendeu a tribuna, com manifestações mais entusiasmadas também de quem estava na plateia.

A executiva, no entanto, entende que isso limitaria o partido a realizar negociações com outras legendas. Assim, duas propostas foram colocadas em votação, uma para a homologação de Beto dando poderes à executiva para escolher o restante da composição da chapa e outra definindo, além de Beto, o nome do senador, havendo maioria pela primeira. “Reservamos até o último minuto para que tenhamos duas vagas majoritárias para serem conversadas”, afirma o presidente estadual do partido Mário Bruck.

BETO ALBUQUERQUE

Beto Albuquerque tem 59 anos e natural de Passo Fundo. Cursou Direito e no Diretório Acadêmico e no DCE da UPF iniciou sua atividade política, tendo o PSB como seu único partido. Foi deputado estadual por duas vezes, sendo o autor da lei que originou a Uergs, e por quatro vezes foi deputado federal, período em que esteve secretário de Estado por duas vezes. Com a morte do presidenciável Eduardo Campos, em 2014, Beto renunciou sua candidatura ao Senado, passando a ser candidato a vice-presidente do Brasil, com Marina Silva. Em 2018, concorreu ao Senado, quando recebeu 1.713.792 votos eleitores gaúchos.

Atualmente, Beto é vice-presidente nacional do PSB e presidente do Instituto Pietro, que foi criado a partir da perda do filho para a leucemia. Na disputa ao Palácio Piratini, defende atenção especial à educação. Após a convenção do partido, Beto segue sem chapa formada para a disputa.