GOVERNADOR EDUARDO LEITE DIZ QUE RS DEVERÁ PERDER ATÉ R$ 10 BI EM ARRECADAÇÃO

88
Em Brasília, Eduardo Leite disse que a somente a suspensão da dívida do estado com a União por três anos, proposta pelo governo federal e aprovada pelo Congresso Nacional, não será suficiente para que o estado possa enfrentar os impactos dos temporais. Foto: Divulgação
Para o governador Eduardo Leite, suspensão do pagamento da dívida do estado com a União não será suficiente para lidar com impactos dos temporais. Ele defende programa de redução de jornadas e salários, a exemplo do que ocorreu na pandemia da Covid-19

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, afirmou nesta quarta-feira (5) que o estado e os municípios gaúchos poderão perder até R$ 10 bilhões em arrecadação com impostos neste ano de 2024.

Em Brasília, Eduardo Leite disse que a somente a suspensão da dívida do estado com a União por três anos, proposta pelo governo federal e aprovada pelo Congresso Nacional, não será suficiente para que o estado possa enfrentar os impactos dos temporais.

Na reunião com Lula, o governador gaúcho afirmou que vai pedir ajuda federal para amenizar as perdas com arrecadação decorrentes da redução da atividade econômica no estado. “A gente entende que esteja falando de algo em torno de R$ 6 bilhões a R$ 10 bilhões até o final deste ano em termos de queda de arrecadação do estado e dos municípios que precisaria ser suportado pela União, como foi na pandemia, porque é o ente que tem capacidade porque pode emitir dívida, porque tem fôlego financeiro para poder atender essas necessidades”, disse.

O governador explicou que o recurso economizado com a suspensão da dívida com a União será todo aplicado em medidas de reconstrução do estado. No entanto, a perda de arrecadação impacta na prestação de serviços do dia a dia. Segundo Leite, sem a recomposição, há o risco no futuro de atraso de salário de servidores ou de redução da prestação de serviços públicos.

“A gente teve a suspensão da dívida, mas a suspensão da dívida é toda canalizada para reconstrução. Eu tenho um fundo constituído para reconstrução com recurso da suspensão da dívida, que eu vou depositar nesse fundo. De outro lado, na minha arrecadação vou ter queda forte que vai me atrapalhar prestação de serviços e outros investimentos que são também importantes”, declarou.

Os temporais do mês passado mataram 169 pessoas, deixaram centenas de milhares de pessoas desabrigadas e afetaram maior parte da indústria gaúcha.

Redução de jornadas e salários

Leite também defendeu a criação de um programa de redução de jornadas e, proporcionalmente, de salários, a exemplo do que ocorreu na pandemia da Covid-19, para evitar demissões. O pedido foi apresentado no mês passado ao governo federal por dirigentes da indústria do RS. Na pandemia, o governo federal pagou um benefício aos trabalhadores que tiveram jornada de trabalho reduzida.

Presidente Lula volta ao RS nesta quinta

Leite faz a primeira viagem a Brasília desde a tragédia climática. Além de Lula, o governador será recebido pelos presidentes da Câmara, Arthur Lira-PP-AL, e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-DEM). O governador esteve na capital na véspera da quarta visita de Lula ao Rio Grande do Sul. O presidente irá na quinta-feira (6) ao Vale do Taquari, uma das regiões mais afetadas pelas enxurradas.

Segundo o governo, Lula terá encontros com prefeitos e outras autoridades e visitará áreas atingidas. O presidente visitará o bairro Passo de Estrela, em Cruzeiro do Sul, no qual 650 moradias foram destruídas. Ele também irá ao municípios de Arroio do Meio para observar a cozinha solidária do Movimento de Atingidos por Barragens (MAB).