DESTAQUE DE SÁBADO: DEOGAR SOARES

165

O ‘Destaque de Sábado’ de hoje relembra um dos mais notáveis integrantes da equipe do Treze Horas: o jornalista Deogar Soares, falecido em agosto de 2003, aos 67 anos de idade. Uma grande figura humana que foi também um dos maiores e melhores comunicadores que Pelotas gerou. Além de jornalista e radialista, Deogar foi também um talentoso fotógrafo. As fotos, em preto e branco, traduziam seu mundo, de poética e rara inspiração.  ‘O velho’ – como era chamado entre amigos marcou com o seu programa na Rádio ALFA-FM Vôo Livre. Em pequenas crônicas, lidas por ele mesmo, cuja voz era sonora e bem timbrada, Deogar a todos emocionava com sua verdade, ironia e transcendência. Seus textos eram carnações nervosas e poéticas, traduzindo o seu e o nosso cotidiano. No fim da vida, o velho tinha no olhar emanações tristes, talvez por ter tido o impulso de mudar coisas que são  imutáveis, e ele soube disso tardiamente.

Deogar Soares participou desde o início do Treze Horas. nos anos 80. Era apresentador e locutor da Rádio Universidade e foi eleito vereador em Pelotas onde cumpriu um mandato apenas. Após anos de esforços editoriais, o livro Voo Livre foi lançado em junho de 2012. Luiz “Minduim” Vasconcellos propôs a ideia do livro de crônicas em 2004, em artigo no Diário Popular, mas foi somente em 2010 que um grupo de familiares e amigos se reuniu para construir o projeto editorial que teve participação importante do jornalista Clayton Rocha. O trabalho concluiu em maio de 2012 e o livro foi apresentado em junho no SINASEFE. A foto da capa do livro é do fotógrafo e amigo Nauro Júnior.

O governo municipal pelotense prestou dois importantes reconhecimentos a Deogar Soares, após sua morte: seu nome batizou, em 2003, uma escola municipal de ensino fundamental e em dezembro de 2010, o atual espaço artístico da Câmara de Vereadores leva seu nome. A homenagem do site deste sábado vai para Deogar Soares, com toa a justiça que ele sempre mereceu.

 

Colaboração: parte de textos de Francisco Antônio Vidal