COMEÇA DRAGAGEM EMERGENCIAL DO PORTO DE RIO GRANDE

500
Draga Galileu Galilei, da Jan de Nul – Divulgação/ JDN

No último dia 29 de junho, a draga Galileo Galilei – navio do tipo HOPPER, da Jan De Nul do Brasil, chegou ao Porto de Rio Grande, para uma operação emergencial que começou ontem, 03.07. Com capacidade de transportar até 18.000 metros cúbicos em sua cisterna, ela será a responsável pela dragagem de reestabelecimento das condições de navegação do Porto, assoreamento causado pelas fortes chuvas no Rio Grande do Sul. A ação é um suporte à Autoridade Portuária (Portos RS) para mitigar os problemas provenientes das cheias. O Porto do Rio Grande possui papel fundamental nas movimentações do Rio Grande do Sul. Através de seu cais público e dos terminais privados são exportados mais de 30% do que é produzido no estado.

A Jan De Nul já está se mobilizando para iniciar a dragagem que tem previsão de duração de duas semanas, iniciando no dia 03 de julho, e contará com cerca de 50 colaboradores embarcados e na equipe de administração local. “Esta campanha tem por objetivo devolver aos navios que escalam o Porto de Rio Grande a condição segura de navegação. Isso porque a Draga Galileo Galilei irá remover uma enorme quantidade de detritos e sedimentos que foram carreados pelas águas das chuvas através do curso natural da Lagoa dos Patos até o mar, e passaram a se depositar em uma taxa extraordinária na desembocadura do canal de acesso ao Complexo Portuário Gaúcho”, explica Vinicius Delfim, gerente de contratos da Jan De Nul.

Com este equipamento, a Jan De Nul do Brasil já executou a obras de dragagem por implantação do Terminal de Regaseificação de GNL de São Paulo (TRSP) – Santos (SP), as obras de proteção/recuperação contra erosão costeira na Praia Central de Balneário Camboriú (SC) e Matinhos (PR). Após concluída dragagem emergencial em Rio Grande, a Draga Galileo Galilei seguirá para o cumprimento de outra obra privada em Salvador (BA).

Segundo a Jan De Nul do Brasil, ainda em 2024, está prevista a mobilização de outras dragas dos tipos Backhoe, atendidas por Batelões, assim como de outras do tipo Hopper para complementar os compromissos já assumidos pela empresa de origem belga.