ARTIGO – SANDUÍCHES AROMATIZADOS

57

SANDUÍCHES AROMATIZADOS

Ivon Carrico*

Quem estudou Química Orgânica sabe que flavorizantes são substâncias que, adicionadas aos alimentos, conferem-lhes características degustativas e olfativas. A raiz etimológica desse vocábulo vem do Inglês, onde ‘flavor’ significa “sabor e aroma”.

Por sua vez, é do conhecimento geral que a indústria faz uso acentuado de corantes, flavorizantes e outros complementos na produção de muitos gêneros alimentícios dispostos nas gôndolas dos supermercados. No mundo todo. Aqui, tal matéria é disciplinada pela ANVISA que permite a adição desses produtos dentro dos limites saudáveis para o consumo humano.

Todavia, causou perplexidade a disponibilização para consumo de sanduíches, digamos, ‘aromatizados’, pelo McDonald’s e o Burger King. Aquele oferece o McPicanha, sem picanha. Só o cheiro e o sabor. Já, este oferece o sanduíche Whopper Costela, que não tem costela em seus ingredientes.

Aqui, não estou a discutir a adição ou não de flavorizantes, mas a possível afronta e desrespeito aos consumidores, pois – provavelmente – trata-se de propaganda enganosa, vedada pelos Institutos de Defesa do Consumidor. Que já estão atuando.

Não bastasse esse disparate, eis que o brasileiro vê-se surpreendido por outro, talvez, igual ou de maior dimensão. Não! Por favor, não estou falando da crise entre os Poderes da República, sobre a possível fragilidade da urna eleitoral ou sobre uma provável ruptura democrática.

Estou falando do nosso Senado que, pasmem, talvez na falta de assuntos de maior relevância, como os acima citados e, para tirar o protagonismo dos órgãos específicos, irá interpelar o McDonald’s e o Burger King sobre a ausência de picanha e costela nesses sanduíches.

Bem, em um País onde – também – as Cortes Superiores decidem sobre o consumo de pipocas em cinemas, sobre papagaios que cantam alto e, sobre sinos que badalam demais, nada – pois – surpreendente.

Mas, creiam, essas bizarras cenas, mais do que insólitas, tiram a credibilidade das nossas instituições que já estão por demais fragilizadas e desacreditadas. Até quando?

*Ivon Carrico é pelotense, mora em Brasília, atuando na administração há quase 50 anos. Atuou na ANVISA e na Presidência da República. Brasília: 04/05/2022