ARTIGO – O PODER E O PUDOR

44

O PODER E O PUDOR

Ivon Carrico*

A CPI da COVID, no Senado, foi instalada por determinação do STF para investigar supostas irregularidades nas ações governamentais durante essa Pandemia no Brasil.

Mas o Regimento do Senado limitou essa investigação às possíveis ações ou omissões do Governo Federal. Ou seja, circunscritas às ordens, tão somente, emanadas de Brasília. Mas não tem o SUS alcance nacional envolvendo os três níveis de governo (federal, estadual e municipal) e, por conseguinte, albergando esse enfrentamento?

A par disso, contudo, a sociedade foi surpreendida quando da indicação de Parlamentares, envolvidos em supostas irregularidades, para a condução desses trabalhos. Seria isso, então, uma iminente falta de seriedade?

Não! Pois, em que pesem essas inusitadas indicações e contradições, de uma certa maneira o andamento dessa CPI, como outras anteriores, tem sido surpreendente e positivo, pois tem ajudado a desvendar e entender o intrincado jogo de interesses no exercício do Poder neste País. Ainda que alguns dos depoentes mostrem uma face mentirosa, sórdida, solerte, irresponsável e inconsequente.

Em síntese, essa CPI está mostrando ao Brasil a dimensão da falta de pudor no Poder onde poucos, para se darem bem, tripudiam em cima de muitos.

Dentre esses depoentes tenho visto pessoas que, em alguma oportunidade, tiveram algum vínculo funcional com a ANVISA, onde exerceram, tão somente, Cargos Comissionados.

Assim, ao contrário do que pretende induzir parte da Imprensa, qualquer ação ‘a posteriori’ dessas pessoas, ou seja, quando não mais lá estavam, não tem e, sequer pode ter, qualquer vínculo com a ANVISA, cujo Corpo Técnico e Diretivo tem se mostrado irrepreensível nesse período tão triste e conturbado da vida dos brasileiros.

*Ivon Carrico é pelotense, mora em Brasília, atuando na administração há quase 50 anos. Atuou na ANVISA e na Presidência da República. (Brasília, 27/08/2021).