DOZE HORAS CIENTÍFICAS EM 8 DE JULHO

129

O Treze Horas vai realizar uma programação especial no próximo dia 8 de julho – DIA NACIONAL DA CIÊNCIA E DO PESQUISADOR CIENTÍFICO. Serão às DOZE HORAS CIENTÍFICAS: um programa especial que vai começar às 13 h do dia 8 de julho e se estender até a uma da madrugada do dia 9. Com a participação de centenas de convidados, o especial com o apoio da Rádio Universidade e da UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS, o especial terá a coordenação de Clayton Rocha com o apoio de sua equipe de colaboradores. A programação vai levar – em rede de rádio – aos ouvintes as mais amplas informações e avaliações sobre a pandemia de SARS-COV2 – COVID-19, o novo Coronavírus.

IDEIA

A ideia das ‘DOZE HORAS CIENTÍFICAS’ – um programa de rádio com duração de doze horas – surge a partir de um histórico momento da R.U. criado e consolidado no passado: Às 12 HORAS BENEFICENTES. A primeira edição surgiu em 1970 – tinha também a participação do Diário Popular da CTMR – Companhia Telefônica Melhoramento e Resistência e da Rádio da Universidade Católica de Pelotas. Durava das 7h da manhã até 19 horas. O jornalista Clayton Rocha criou as ’12 Horas’ em favor do CEAP, Conselho de Entidades Assistenciais de Pelotas (contando com 56 Entidades).

Um palanque montado na Praça Coronel Pedro Osório, com uma Central Telefônica da CTMR, 30 caminhões das empresas de Pelotas recolhendo doações em toda a cidade. Oficiais do NPOR com as Urnas Lacradas da Justiça Eleitoral nas sinaleiras da cidade. Contas abertas na rede bancária local. Todas as rádios de Pelotas em “Rede Assistencial”. Locutores de Pelotas no Palanque da Praça. Convidados Especiais passavam 12 horas no ar conclamando a população de toda a cidade a colaborar com as entidades vinculadas ao projeto.

JUSTIFICATIVA

O novo Coronavírus está afetando o dia a dia das redações, com home office, mudanças nas programações, coberturas e editorias, e a audiência dos veículos de comunicação aumentou de maneira significativa em decorrência de notícias sobre a pandemia. A International News Media Association (INMA) realizou uma pesquisa com editores e ‘publishers’ de quase 50 plataformas de notícias para saber as estratégias que estão utilizando para divulgar e manter o público abastecido com informações consistentes contrapondo as Fake News.

O estudo mostra que boa parte dos veículos consultados estão focando em mudanças no seus sistemas e grande parte dessas 50 empresas noticiosas passaram a deixar abertas de maneira ‘full time’ as notícias que abordam o coronavírus.

Mais precisamente as emissoras de rádios estão entrevistando, solicitando comentários, divulgando ações governamentais, dando voz aos ouvintes de maneira quase ininterrupta sobre todos os acontecimentos que envolvam a pandemia.

A partir dessa premissa surgiu a ideia de uma programação, em rede, durante doze horas, para que os ouvintes de diversas emissoras de rádio do sul do Rio Grande do Sul possam ter acesso ao pensamento de cientistas, médicos, infectologistas, jornalistas, profissionais de saúde, parlamentares e governantes de maneira direta e com o devido respaldo do rádio e das redes sociais através da constante reverberação do material gerado, através de reconectividade, podcasts, recuperação de conteúdo, além, – é claro – da geração ao vivo durante as ’12 HORAS CIENTÍFICAS’!