DOM JACINTO E EPISCOPADO GAÚCHO REÚNEM-SE COM O PAPA FRANCISCO

71
O Arcebispo Metropolitano de Pelotas, Dom Jacinto Bergmann, esteve ao lado do Papa Francisco no momento de oração, durante a Visita Ad Limina Apostolorum nesta quinta-feira, 05.08.

O quarto dia da visita Ad Limina Apostolorum do episcopado gaúcho em Roma foi marcada pela audiência com o Papa Francisco. Nesta quinta-feira, 05 de maio, após celebrar a Missa na capela do Colégio Pio Brasileiro, a delegação de 23 pessoas das quatro arquidioceses e das 14 dioceses do Rio Grande do Sul se deslocou para o encontro com o Pontífice, em espaço anexo à Sala Paulo VI. Dom Jacinto Bergmann, Arcebispo Diocesano de Pelotas, salientou o momento de amizade, partilha e comunhão. Como Pai e Pastor, o Papa ouviu a cada um com atenção, aconselhando com caridade e cuidado, quando esteve junto ao Santo Padre orando pela Arquidiocese de Pelotas.

Na sexta-feira, dia 06 de maio, às 07h45min, os bispos celebram a Missa na Basílica de São Paulo Fora dos Muros, em Roma e depois visitam os dicastérios para os Leigos, Família e Vida e para o Serviço do Desenvolvimento Humano Integral. Por fim, o encontro será na Congregação para a Evangelização dos Povos. Toda a programação acontece de acordo com o horário de Roma.

Francisco está atento aos desafios da Igreja em sua missão de evangelizar, em todos os seus âmbitos. Ao episcopado gaúcho, recordou a importância de não se esquecerem dos mais necessitados.

Presidente do Regional Sul 3 da CNBB, o bispo diocesano de Caxias do Sul, Dom José Gislon, fez uso da palavra na abertura do encontro e falou sobre a realidade da Igreja no Rio Grande do Sul, das dioceses, do clero, da vida religiosa e também dos leigos e leigas. “Pedi ao Papa que desse uma bênção a todo nosso povo gaúcho, à nossa realidade como um todo”.

Durante duas horas e mesmo com dificuldades para caminhar, em virtude de uma lesão no ligamento do joelho, Francisco ouviu aconselhou os bispos e padre que acompanham a visita Ad Limina Apostolorum. Num encontro de fraternidade e proximidade, o Papa falou também sobre as realidades da Igreja Católica.

Francisco está atento aos desafios da Igreja em sua missão de evangelizar, em todos os seus âmbitos. Ao episcopado gaúcho, recordou a importância de não se esquecerem dos mais necessitados. Ao final, cada bispo pode entrar seu mimo ao Pontífice e dele receber um presente também, além da foto individual com o Papa Francisco.

Programação dos Bispos em Roma

A programação da visita Ad Limina continua nesta quinta-feira, 05 de maio, com a audiência do episcopado gaúcho na Pontifícia Comissão para a Tutela de Menores e a Pontifícia Comissão para a América Latina. Ao final do dia, visitam a Opera della Chiesa.

O que é a visita Ad Limina?

A visita Ad Limina também está relacionada com a apresentação de um relatório sobre a situação da arqui/diocese de cada um. Este material não consiste especificamente em uma prestação de contas, mas muito mais em uma explanação sobre a situação de cada Igreja Local. Este movimento deve ocorrer a cada cinco anos, conforme previsto no Código de Direito Canônico:

Cân 399 – § 1. O Bispo diocesano está obrigado a apresentar de cinco em cinco anos um relatório ao Sumo Pontífice sobre o estado da diocese que lhe está confiada, segundo a forma e o tempo determinados pela Sé Apostólica.

Para isso, o CDC prevê que “o Bispo diocesano vá a Roma no ano em que está obrigado a apresentar o relatório ao Sumo Pontífice […], a fim de venerar os sepulcros dos Bem-aventurados apóstolos Pedro e Paulo e apresente-se ao Romano Pontífice” (Cân 400).

A visita Ad Limina é um ato que todo o Bispo cumpre para o bem de sua própria diocese e de toda a Igreja, para favorecer a unidade, a caridade, a solidariedade na fé e no apostolado.

O diálogo fraterno que se estabelece com os vários Dicastérios da Cúria Romana e com o Santo Padre é uma forma de vivenciar a sinodalidade da Igreja, naquele sentido expresso pelo Papa Francisco: “um caminhar juntos, revigorados pela coragem e pelo consolo que vem do Senhor. Caminhamos, olhando-nos nos olhos e ouvindo-nos, com sinceridade, sem esconder as dificuldades, experimentando a beleza de caminhar unidos, para servir”