ARTIGO – A MELANCÓLICA SAÍDA DA FORD

54
Ivon Carrico participando do Treze Horas direto de Brasília com Paulo Gastal Neto

A MELANCÓLICA SAÍDA DA FORD

Ivon Carrico – De Brasília

Surpreendeu alguns desavisados a saída dessa Montadora do Brasil onde estava presente desde 1919.

Todavia, já na década de 80 com a entrada de empresas japonesas no mercado automobilístico a cidade de Detroit, nos USA, onde nasceu e floresceu essa indústria e Sede mundial da GM e da Ford, começou a ver a sua economia declinar em virtude de latentes dificuldades financeiras das suas montadoras que não faziam frente às novas concorrentes.

Por sua vez, a globalização empreendida após o final da Guerra Fria, no início da década de 90, jogou a pá de cal, pois capitais americanos migraram para outras regiões do planeta (em busca de mão de obra barata) causando enorme quebradeira e desemprego nos Estados Unidos.

A inviabilização da sua indústria automobilística que já era iminente não resistiu, também, aos recém chegados ‘players’ coreanos e chineses.

Em seu auge Detroit era uma rica e glamurosa cidade. Com 1,8 milhão de habitantes. Hoje, empobrecida tem 700 mil. Em 2013 a cidade quebrou!!

Aí a Ford já era um arremedo da sua outrora pujança. À empresa faltou investimentos e arrojo empresarial. Sucumbiu. Como a Kodak e outras. Não acompanhou a velocidade das transformações. Quedou-se na glória passada do seu fundador, Henry Ford.

Já, essa Pandemia veio potencializar suas dificuldades de caixa não restando saída outra que deixar, também, o mercado brasileiro.

Lastimável a perda de 5.000 postos de trabalho. Triste e desolador. (Ivon Carrico)