ARTIGO – A CENSURA SEGUE FIRME: AGORA AS VITÍMAS SÃO OS HUMORISTAS

239

ARTIGO – A CENSURA SEGUE FIRME: AGORA AS VITÍMAS SÃO OS HUMORISTAS

Paulo Gastal Neto*

Chico Anísio, Jô Soares, Costinha, Renato Aragão e tantos outros artistas do segmento do humor não teriam vez neste Brasil de hoje, perseguidor de opiniões, ideias, conceitos e agora até mesmo artístico. Chegou a vez de a censura recair sobre os humoristas, os que alegram as plateias com as sua tiradas irônicas, cáusticas, picantes, hilárias, pois contradizem o cotidiano de normalidade.

A bola da vez do momento é humorista Léo Lins. A justiça de São Paulo, a pedido do Ministério Público daquele estado, determinou que Lins removesse do Youtube um programa especial com mais de uma hora de duração e parasse de apresentar seu show. No vídeo de comédia e no show, chamado “Perturbador”, Lins tece, segundo a decisão judicial, “comentários odiosos, preconceituosos e discriminatórios contra minorias e grupos vulneráveis”. Entre outras medidas, o humorista está proibido (pasmem) de deixar a cidade de São Paulo, onde vive, por mais de 10 dias.

Humoristas da época atual, como Fábio Porchad, da Rede Globo, saíram em defesa de Léo Lins. “Quem assiste, quem vai aos espetáculos de Léo Lins adoram, riem muito. Quem não gosta das piadas são os que não foram”. Ah, mas faz piada com minorias… E qual o problema legal? Nenhum. Dentro da lei pode-se fazer piada com tudo tudo tudo”, diz Porchad.

E continua: Tem piada de todos os tipos, de pum e de trocadilho, ácida e bobinha. Tem piada de mau gosto? Tem também. Tem piada agressiva? Opa. Mas aí é só não assistir. Infelizmente o Brasil está caminhando para um processo de situação institucional, em que uns cidadãos irão tentar controlar uns aos outros conforme as sua ideias. Não ser simpático a uma ideia ou – no caso do humor – gostar de uma piada não dá o direito de impedir ela de existir. Ainda mais previamente.

Como enfatizou Porchad em defesa da liberdade e da democracia: Não existe censura do bem. Se cada pessoa que se ofender com uma piada resolver tirar ela do ar não sobra um Joãozinho, um papagaio, um argentino.

Pra mim democracia não é um regime pra você defender as suas ideias, mas pra quem você não concorda poder defender as delas. Não confundam ‘não gosto dele’ com ‘ele não pode falar’. Não entrem nessa conversa com a emoção, entrem com a razão.

‘Não gosta de uma piada? Não consuma’

PS: Não gosto das piadas, de extremos mau gosto, de Léo Lins, mas o direito de ele contá-las vou defender sempre.

*Radialista e editor do site www.pelotas13horas.com.br