ARTIGO – A ZONA SUL MERECE UM HOSPITAL DE GRANDE PORTE E 100% SUS

88

ARTIGO – A ZONA SUL MERECE UM HOSPITAL DE GRANDE PORTE E 100% SUS

Cristiano Silva

Advogado, vereador e presidente da Câmara de Vereadores de Pelotas

A mobilização pela manutenção do projeto inicial de construção do Hospital-Escola da UFPel, como instituição de grande porte com 364 leitos e 100% SUS, iniciada por mim na Câmara de Pelotas, ganhou importantes aliados esta semana. Após reunião com presidentes das Câmaras de Vereadores da região firmamos o compromisso de unir forças e realizar ações conjuntas a fim de fortalecer esta luta.

Num primeiro momento, o Legislativo de cada município irá apresentar moções de apoio à manutenção da proposta inicial. Esta é apenas a primeira, de uma série de ações que devem ser desencadeadas para buscar soluções a esta importante demanda da área da saúde.

Não podemos abrir mão da construção de um hospital de grande porte e 100% SUS e nem perder 110 leitos. O Hospital Escola da UFPel é referência em saúde pública, pois acolhe pacientes de municípios vizinhos.

Desde a campanha eleitoral, a área da saúde sempre foi uma das minhas principais bandeiras e agora como vereador, busco a mobilização de representantes políticos e lideranças da região para que possamos enfim conquistar um sistema de saúde de qualidade para todos. No mês de julho, a reivindicação obteve a importante adesão da prefeita de Pelotas, Paula Mascarenhas que garantiu seu apoio à mobilização e também do senador Luís Carlos Heinze.

O senador se prontificou em abraçar a luta e prometeu conversar com os representantes da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh) para a revisão do quantitativo de recursos humanos, entrave apresentado para a manutenção do número de leitos previsto no projeto inicial.

O primeiro edital de licitação para a construção do hospital foi lançado há quase 10 anos e previa os 364 leitos. Uma reformulação no projeto, prevê, agora, a construção de um hospital de médio porte, com a perda de aproximadamente 110 leitos.

O primeiro edital de licitação para a construção do hospital foi lançado há quase 10 anos e previa os 364 leitos. Uma reformulação no projeto, prevê, agora, a construção de um hospital de médio porte, com a perda de aproximadamente 110 leitos. Não podemos deixar isso acontecer.

A luta pela manutenção do projeto original tem o importante apoio do Conselho Departamental da Faculdade de Medicina, que é a instância máxima das deliberações da Famed, mas esbarra na vontade da direção do HE-UFPel, que integra a Rede da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), e que também se manifesta a favor da construção de um hospital de médio porte. A justificativa seria o quantitativo de recursos humanos necessários para a manutenção dos 364 leitos.

Nossa justificativa, no entanto é que o HE-UFPel dispõe de 175 leitos, o que já o classifica como um hospital de médio porte e apenas 53 desses leitos são disponibilizados para o atendimento de retaguarda, ou seja, para urgência e emergência dos atendimentos que chegam do Pronto Socorro de Pelotas (PSP). Além disso, a construção do Pronto Socorro Regional, anunciada pelo governador Eduardo Leite, no final de 2020, irá demandar retaguarda para os pacientes que serão atendidos na unidade. Por isso, peço às lideranças políticas da região que se unam a essa luta, tão importante para a população da Zona Sul.