ARTIGO – A EPIFANIA BRASILEIRA

35

A EPIFANIA BRASILEIRA

Ivon Carrico*

A Terra Santa, desde 600 anos antes de Cristo, foi ocupada por distintos povos. Isto posto, nos tempos do nascimento de Jesus a potência dominante era o Império Romano que conduzia a ferro e fogo o destino dos Judeus.

O Império Romano, àquela ocasião, tinha um Representante naquelas paragens – Pôncio Pilatos, mas permitia a ascensão das lideranças locais na estrutura político-administrativa.

Daí, a existência do Rei Herodes e do Sinédrio que era o Tribunal dos Judeus, exercido pelos sacerdotes, anciãos, escribas e doutores da lei.

Na sociedade judaica a religião se confundia com a cidadania e a governança. Razão pela qual havia, então, frequentes e disputados embates que – também – dividiam o povo, já bastante atormentado pelas sucessivas ocupações estrangeiras.

Mas os Judeus acreditavam em um Messias que os tiraria, ainda, dessa miséria existencial. Para eles a esperança venceria o medo.

Isso começou a se materializar com a surpreendente Anunciação em Nazaré. A Epifania, ou seja, a revelação (neste domingo tão celebrada nas missas) ocorreu mesmo quando da estrela guia conduzindo os Reis Magos à Belém. Onde nasceria a Luz que inundaria as trevas.

Ao saber, então, da iminência da vinda desse Messias, já declarado Rei, para salvar seu povo, Herodes – não querendo dividir ou perder o Poder – não titubeou: mandou matar todos os recém-nascidos.

Essa foi, assim, a razão da fuga da Sagrada Família para o exílio no Egito. Quando os ânimos serenaram houve o retorno para Nazaré onde, tempos depois, Jesus começou a sua vida pública. Quem não se lembra das Bodas de Canãa?

Já, hoje, aqui nas terras de Santa Cruz, o medo venceu a esperança. Assim, que o nosso Messias e/ou a nossa estrela, juntos com o nosso Sinédrio, revertam essa situação de angústia e desesperança que abate nosso povo. E que essa boa vontade sinergia seja para revelação aos brasileiros.

Essa, talvez, venha a ser a nossa verdadeira Epifania.

*Ivon Carrico é pelotense, mora em Brasília, atuando na administração há quase 50 anos. Atuou na ANVISA e na Presidência da República. (Brasília, 03/01/2022).