ARTIGO – PELOTAS TREZE HORAS…41 ANOS!

285

Pelotas Treze Horas . . . 41 anos !

Ramacés Hartwig*

Com um tempo (relativamente) curto historicamente e longo sociologicamente, contudo,imensurável humanitariamente, este programa radiofônico, em sua dimensão, serviçoe importância ultrapassa as fronteiras da reflexão, do questionamento, da avaliação e da provocação analítica abordando os mais diferentes, antagônicos ou complementares temas que tratam da Política, da Economia, da Filosofia, da Ética, da Arte,da Cultura, etc (incluindo o futebol). Desde minha primeira participação (nos idos de 2005, convidado pela querida Claudinha) até hoje (com esporádica presença) encantou-me sobremaneira o lema e a condução que o Clayton Rocha dá a esta heroica tarefa cotidiana, ao enunciar: Aqui o debate é livre e a opinião independente !Aprendi, com o tempo e com a salutar convivência junto a esta plêiade de Amigos/as voluntários/as, que compor a MESA DO TREZE, muito mais do que um grande privilégio é uma enorme responsabilidade.

Por que ? Porque as notícias, comentários, discussões e posicionamentos ali manifestados espalham-se pelo mundo (pelas ondas AM ou via internet) tanto como plumas que alçam infinitos voos de liberdade tanto como sementes que (re)produzem sonhos, motivam consciências e ajudam a esculpir cidadanias. E estas, por sua vez, como que numa infinita corrente espiral ascendente, entrelaçam desejos e tecem esperanças de um mundo mais justo, fraterno e solidário.  É neste “ambiente palaciano”, pois, trata-se do PALÁCIO DA POLÍTICA(onde “criador e criatura se com-fundem”) que as ideias Políticas e os ideais Humanitários sobressaem por, sobre, com e além de qualquer expressão partidária ouideológica !É no caldo do debate e na têmpera da opinião que se forjam diálogos (por vezes acirrados) com pontos e contrapontos defendidos com veraz ardor e não menor exaltado fervor.

Entretanto, acalmam-se os ânimos e retorna-se ao urbanismo corriqueiro ao saborearmos o “chá chinês” (proposital e especialmente preparado pelo Paulo Gastal). De minha parte sempre procurei conduzir minhas participações e orientar meus posicionamentos a partir do Evangelho de Jesus Cristo porque, como religioso-cristão-anglicano que sou, tento pautar minha vida e conduzir meu ministério seguindo as “pegadas do Cristo de Deus”. Por este motivo, e desde que o Clayton descobriu que eu havia sido aluno do Cardeal Ratzinger*…nunca mais me deu sossego!

Aliás, tenho por convicção de que esta é a nossa “sintonia maior”, isto é, a nossa devoção a Deus, a nossa admiração pelo testemunho dos papas e santos\as,o nosso respeito por todas as expressões religiosas e, aliado a tudo isso, a nossa premissa maior: O SER HUMANO ACIMA DE TUDO E DEUS ACIMA DE TODOS !E é nesta direção que os microfones da Mesado Treze também estão abertos à participação popular através do “caixote do Treze”. Neste “espaço-cidadão”qualquer pessoa pode manifestar sua opinião e/ou lançar algum assunto para repercussão na mesa oval do Salão Amarelo. Por tudo isso o Pelotas Treze Horas é e está, sem sombras nem dúvidas, entre os grandes e famosos programas de rádio do Brasile do mundo.

O Programa Pelotas Treze Horas é “arauto da região sul” e “Voz de Pelotas”… e que assim seja por mais 4 décadas !

*Durante o mestrado em ecumenismo no Instituto Ecumênico de Bossey/Conselho Mundial de

Igrejas – Suiça/2000-2002.

* Clérigo da Diocese Anglicana de Pelotas/IEAB. Formado em Teologia e Direito com mestrados em minis-tério e ecumenismo, e doutorado em diálogo inter-religioso. Membro do CEBI, CONIC, CONER, CESEEP.Atualmente pároco da Egreja do Salvador, em Rio Grande (RS).